Year: 2008

Eventos para os interessados no mundo digital

O Arts-Humanities disponibiliza uma boa agenda dos eventos no mundo da ICT (information and communications technology). Quem quiser conferir clica aqui.

Percorrendo a agenda dos eventos, porém, se percebe como ainda é dificil para nòs (no Brasil), participar desses eventos, pois a maior parte deles é nos EUA ou na Europa (principalmente em Londres). E’ interessante, contudo, ler as apresentaçoes e as agendas de cada evento, a simples introduçao dos temas ilustra bem como a comunidade interessada esta levando a sério o tema da Era Digital. Resta saber até que ponto esta importancia é real e quanto de tudo o que se fala nao é um discurso estratégico visando desde ja a venda e defesa de interesses diversos no setor.

Free-Choice Learning, uma proposiçao radical?

(Desculpem: estive um longo periodo sem publicar. Tenho lido algumas coisas muito interessantes mas nao tive o tempo necessario para explora-las devidamente e nao me sentindo à vontade para publicar “qualquer coisa” somente por publicar, acabei nao o fazendo. Estou quase terminando minha estadia na Italia e acho que voltando pra casa a publicaçao se regulariza. O ultimo semestre està uma loucura. )

Bem, apòs este mea culpa venho compartilhar com voces mais um texto do Museum 2.0 postado por Nina Simon que eu achei muito interessante. Concordar 100% com a proposiçao dela seria bastante contraditoria com a minha escolha pessoalde estudar Historia e querer (um dia) ensinar em escolas e quem sabe universidade. Mas a tal da Free-Choice Learning nao é de todo desconsideravel. Acho que muitas pessoas tem a capacidade e predisposiçao para aprender nao somente, mas também, atraves de projetos como este. E’ uma escolha muito pessoal e um caminho bem liberal a seguir. Estou explorando o site que a Nina Simon cita no texto dela e que é o Institute for Learning Innovation e fiquei curiosa de ler mais sobre o assunto. Ecco porque eu quis compartilhar o texto, e também porque ela fala do porque ter escolhido justamente trabalhar em um museu, e acho pertinente ao que este blog aborda, ainda  que nao seja um assunto ao 100% dentro do tema.

Segue o post supracitado, publicado em 25 de novembro.

Where I’m Coming From

Why do you care about and or work in museums? This post tells my (weird) story. I hope you’ll share yours in the comments below (or on your own blog). And check out the comments. They are active and awesome.

My story is about radical educational philosophy. I don’t work in museums because I love them. I didn’t grow up staring open-mouthed at natural history dioramas or wandering through art galleries. When I visit a new city, I don’t clamor to visit museums. I go on hikes. I go to farmer’s markets. I walk around and get a sense for people and place. And while I’ll visit museums out of professional (and occasionally personal) interest, I don’t do it because of a deep emotional connection. Yes, there are some extraordinary museum experiences that have changed my life, but they are the exception, not the norm.

I don’t work in museums because I love them. I love the promise of what they can be. I work in museums because I hate schools and see museums as a viable alternative. I’m a strong believer in free-choice learning, and I see museums as places to circumvent the hazards of compulsory education and support a democratic, engaged society of learners.

What is free-choice learning? I first encountered the term as a teenager through the writings of John Holt and the unschooling movement. “Unschooling” is an an educational theory that argues that people of all ages (including children) learn best when their work is self-directed–and that children are better at determining what and how they should learn than any accredited school or instructor. As John Holt wrote, “Learning is not the product of teaching. Learning is the product of the activity of learners.” Unschoolers generally believe that schools perpetuate undemocratic processes that hinder rather than help learning happen.

I agreed. I was great at school, and I hated it. I didn’t want to care what was going to be on the test. I didn’t feel supported pursuing intrinsically motivated projects. Much to my mom’s relief, I stayed in school but remained deeply suspicious of the artificial structure of grades and gold stars. I went to a project-based engineering college where I could set my own curriculum and graduated early. Professors always encouraged me to go to graduate school, but I wanted to get into “real life”–and real learning–as soon as possible.

I started working in museums because I idealized them as places that support user-directed learning (I still do). In college, I stumbled onto the Institute for Learning Innovation and John Falk and Lynn Dierking’s work on free-choice learning in museums, dropped my plan to design pinball machines for a living (probably not that lucrative) and started investigating hands-on museums. I took the two things I was most passionate about–math and non-compulsory learning experiences–and smooshed them together into a string of internships and part-time jobs in science museum education departments. Eventually, I slid into exhibits, and meandered my way to the present.

When I started working in museums, I didn’t realize that free-choice learning was a radical proposition. When I first explored the ILI website, I assumed that free-choice learning was the backbone of all museums. I thought I’d found the place for unschooling to thrive. I didn’t have a clue about the other rationales for museums–places of stored knowledge, places to keep stuff, places to colonize minds. It wasn’t until I started working in museums that I discovered that the museum as a place where you make your own meaning is more a promise than a reality.

There are many parallels between free-choice learning and participatory design. Both are based on the premise that given the opportunity, regular people (learners) will create extraordinary stories and experiences that serve their own purposes better than anything experts can design for them. They don’t need to be cajoled or threatened into learning. As museum professionals, or educators, or librarians, or humans who want to support learning, it’s not our job to teach people everything. What we can do is design conditions and tools for access to those opportunities and a supportive infrastructure to encourage learning.

Unlike John Holt, who ultimately argued that schools were ineffective in any form, I believe that museums can live up to the promise of free-choice learning. Museum professionals repeat Frank Oppenheimer’s words, “no one ever failed museum” with pride. And yet we are increasingly caving to the purse strings and demands of the traditional K-12 and higher education sectors, becoming more like school add-ons than school alternatives. Even the training of museum professionals has gotten more academic with the explosion of university-based graduate programs. Why are we training future leaders of alternative learning using traditional academic techniques and facilities? Instead of trying to align ourselves more closely with K-12 and universities, why aren’t museums charting new territory in free-choice learning? Why are we in bed with institutions that fail to acknowledge people as learners rather than vessels to be filled?

I know the practical answers. There is money in traditional education, lots more than what MacArthur and other foundations are starting to offer for alternative learning environments. The contemporary culture of user-generated content is bringing self-directed learning to the forefront, but that doesn’t mean there’s money or traditional rewards to be found there. No teacher is going to book a field trip to a place that is not tightly tied to school curriculum. A graduate degree looks good on a resume. University people also care about learning, even if they execute it in traditional ways.

But the practicalities are only one part of the story. It took me a long time to realize that supporting free-choice learning isn’t the primary goal for most museum professionals. We like designing the experience. We like telling visitors what’s important. Whenever someone points out that “visitors make their own experiences,” it’s usually followed by a but. BUT we will try to force them to do what we want them to anyway. BUT we will make sure the only stuff they encounter in the galleries is vetted. BUT we won’t acknowledge their voices and their meaning.

My goal is to break down those BUTs. That goal isn’t based on technology or social media. It’s based on liberation, idealism, and activism. It’s based on inviting visitors to participate in museums as active learners so the institutions become as meaningful and relevant as possible.

What’s your goal? Where are you coming from?

The Orwell Prize

‘When one reads any strongly individual piece of writing, one has the impression of seeing a face somewhere behind the page’, wrote George Orwell, in his 1939 essay on Charles Dickens. Fonte: http://www.theorwellprize.co.uk/home.aspx

Estou na Bélgica e na manha de hoje me deparei com uma noticia no jornal Le Soir que me chamou atenção. O jornal falava do The Orwell Prize que a partir de sabado até 2012 vai publicar todos os dias um novo texto do autor, extraidos de uma especie de “jornal” que o autor escreveu cotidianamente de 09 de agosto de 1938 até 1942.

Setenta anos depois de escrito este texto ganhara espaço e leitores na rede. E viva a internet!

Para historiadores digitais

Estou  em viagem de férias, entre preparativos de viagem e outros compromissos fiauei muito tempo sem postar, naop tenho tido tempo de ver auqse nada.

Hoje estava dando uma olhada por ai em busca de informacoes sobre Digital Historians, cursos, especializacao etc, achei um link legal, vale a pena conferir pra auem estiver interessado em ter uma nocao dos programas e das universidades aueoferecem algo nessa area de humanidades “digital”;  é no no Arts – Humanities.

The Virtual Library History Project e The WWW-VL History of Brazil

Nao sei se voces conhecem o grande Index do Virtual Library History Project, o WWW-VL History Central Catalogue. Eu até pouco tempo, admito, que nao conhecia. Mas por conta da minha pesquisa (Digital History, Historia e Social Medias, enfim, tudo o que trata o Historiografia na Rede) estive em contato com um professor que é grande entendedor do assunto, prof. Serge Noiret, que ao final da nossa conversa me apresentou o projeto. [Alias, sobre a minha visita ao “ufficio” deste professor devo relatar quao grande foi o meu encanto ao me dirigir para o Instituto Universitario Europeu, onde ele fica: o lugar é lindo! Tem uma paisagem esplendida de Firenze e fica a poucos minutos do centro, porém bem em meio ao verde na Badia Fiesolana. Deve ser bem bom trabalhar ali!] Voltando: entao me foi apresentado este programa, que existe desde 1993 e acabei depois me comprometendo em fazer o index do Brasil, o jovem jovem WWW-VL History of Brazil

O portal central deste projeto é uma grande pagina com redirecionamento para portais individuais destinados a apresentar e manter atualizado um catalogo de sites de referencias sobre um pais (Historia, Biografia, Principais canais de pesquisa, etc) ou um tema em geral (Trabalho, Mulher, Historia). A qualidade do portal o transformou neste tempo em uma grande referencia, ao buscar pela historia de um pais (ex. “Italian History) no Google certamente voce se defrontarà com um link para a pagina do programa bem ao topo. Respeitavel e reconhecido, o Virtual Library Project é coordenado pelo Prof. Serge Noiret e mantido com a participaçao e colaboraçao de uma grande comunidade de “manteiners”, pessoas que desenvolvem e mantem um destes sites-catalogos. E’ um exemplo que o trabalho em conjunto na rede da (muito) certo e rende bons frutos.

Este ano o portal sera renovado com o objetivo se selecionar e manter os melhores portais agregados. O meu “piccolo” Index da Historia do Brasil ainda tme muito o que crescer e ser melhorado. Quero acrescentar ainda muitos links de referencia e penso em propor uma troca de links. A intençao destas paginas é ajudar nao so quem busca informaçoes de um pais para fins de viagens e turismo, como para estudo. O enfoque maior, claro, é em Historia.

Confesso que achei que seria mais facil fazer um levantamento de sites sobre Historia do Brasil, mas me deparei e me deparo todo santo dia com uma quantidade enorme de sites com conteudo nao muito confiavel e os linksmais cotados do googleas muitas das vezes nao significam que sejam de qualidade. E’ dificil achar uma produçao academica e também se sentir tranquilo de confiar na seriedade de alguns sites. Estou apenas acenando para um problema que na internet nos deparamos frequentemente, qual seja, esta enorme dificuldade em distinguir os sites realmente produzidos por historiadores e/ou estudantes e/ou intelectuais de outras areas,mas com comprometimento ético e academico, dos sites produzidos pelos escritores “comuns”, pelos amadores. Como fazer? Sobre este problema me falou bastante o prof. Stefano Vitali (do Arquivo de Estado de Firenze), um homem que tem muito presente esta problematica e tem se dedicado bastante aquestoes como a do Web 2.0 relacionado às humanidades, segundo ele é, este é apenas um dos agravantes (por exemplo) no caso das, muitas das vezes, incriteriosas pesquisas que nossos estudantes de Ensino Fundamental e Medio ou um internauta desavisado pode acabar fazendo e sendo erroneamente informado por este tipo de sites que se propoem a falar de Historia sem um compromisso com a ciencia.

Quem quiser torcar link com o WWW-VL History of Brazil basta me mandar um e-mail.

Visitem, critiquem, sugiram!

e-livros: velhos e novos rituais de leitura

Volto a falar sobre os e-books motivada de uma das ultimas resoluçoes do governo italiano que decidiu que a partir do ano academico de 2008-2009 – calendario europeu – escola e universidades poderao ter acesso a livros no formato digital disponiveis online gratuitamente ou a pagamento (porém de um valor muito reduzido em relaçao àquele da print version). O site do Governo e do “Tesoro” informamque os livros deverao ser produzidos portanto nos dois formatos e que os docentes poderao adotar somente os textos que estiverem disponiveis nas duas versoes.

Aqui se poem diversas questoes praticas. A primeira delas é saber se os editores italianos vao dar conta de até setembro disponibilizar as duas versoes, se havera alguma prorrogaçao desse prazo da parte do governo, como os alunos poderao ler os livros nas escolas/universidades onde nao tem computador ainda? Os problemas sao varios, mas tudo pode ser amenizado pelo simples fato que o aluno pode sempre imprimir o texto, ou parte dele, quando quiser e se precisar e/ou se nao te computador nao esta excluido de forma alguma pois serà sempre possivel comprar o velho e tradicional livro de papel.

Particularmente sempre fui meio conservadora neste sentido e gosto muito dos meus livro de papel. Ainda que sempre pense em “doar” meus livros, gosto de ve-los por perto. Gosto de folhear um romance que li ha muito tempo e encontraralguma passagem que me tocou muito ao acaso. Aprecio muito a sensaçao e as lembranças que me trazem sentir um livro “fisicamente” na minha mao, sentir o cheiro, ve-lo envelhecendo. Mas sou entusiasta da onda do e-book,embora deva confessar que nunca li um livro inteiro em formato digital (a um certo ponto da leitura, o monitor cansa, e ler no computador obriga a uma posiçao nem sempre confortavel). O livro o levo onde quiser, na bolsa, sem cabos e bateria, leio sentada, deitada, no onibus, no trem… escrevo, sublinho, presenteio alguém, recebo presentes. O livro de papel possibilita rituais desde a compra: uma pessoa pode ter um autografo, fazer uma dedicatoria, receber uma, pode entrar na livraria para comprar um titulo e sair com outro, se sentir atraida por uma capa, um titulo exposto nas prateleiras do outro lado da sala… O livro de papel tem um charme, um romantismo. Mas vamos aos fatos.

Ecologicamente os livros em formato digitais sao ao 100% preferiveis. A capacidade de arquivaçao por espaço é infinitamente maior. O transporte é mais facil. Nao molha,nao amassa, nao pesa. Graças a economia do papel, mais a economia da mao-de-obra e tempo de todo o processo de fabricaçao de um livro “tradicional” o e-book é muito mais barato. Possibilita a qualquer um de escrever e publicar um livro. A democratizaçao da informaçao no mundo dos “informatizados” é muito relevante. Existem também as vantagens e desvangatens para o mercado de um autor poder abrir mao dos serviços editoriais e de distribuiçao. O e-book pode ser (ou nao) dotado de hipertexto o que possibilita uma leitura navegante dentro do texto através das referencias e outros recursos de imagens e graficos que otimizam a leitura e podem auxiliar na apreensao dos dados informativos.

Os pontos positivos a favor do livro no formato digital poderiam ser destruidos pela simples constataçao de que no Brasil de uma população com 196 milhões de habitantes somente 16 milhões possuem acesso doméstico ao computador e isto nao significa dizer acesso à internet. Mas esta desvantagem se mostra quase inofensiva a partir do momento em que admitimos a coexistencia dos dois formatos e nao defendemos a supremacia do novo sobre o velho. Isto significa dizer que o e-book pode trazer as vantagens e ser aproveitado por quem tem os meios para usufrui-lo sem prejudicar aqueles os leitores nao informatizados. A unica desvantagem significante dos leitores de um mesmo livro no formato tradicional em relaçao a quem o leu tal livro na sua versao digital seria a da diferença de ler o conjunto da obra com ou sem hipertextualidade.

Ainda outra vantagem dos e-books é a possibilidade da atualizaçao de conteudos (principalmente no caso dos materiais didaticos)sem custos adicionais. Na Italia a editora Garamond ja oferece este serviço. Paga-se pelo livro uma unica vez.

Uma das desvantagens concretas do e-book é que para poder le-lo é necessaria energia e outra é que nao é muito facil e comodo levar o computador em uma viagem somente para poder ler um livro. Entao no criterio portabilidade o e-book ainda peca por falta de praticidade. Mas isto sera ja esta sendo remediado (claro, para quem pode pagar) pelos e-book readers como dispositivo alternativo ao PC para a leitura de livros em formato digital, que sao “brinquedinhos” tao pequenos e leves que ocupam menos espaço que um caderno universitario numa mochila (imaginem quantos livros podem ser levados numa so mochila!). O primeiro dispositivo leitor de livro eletronico foi produzido pela NuvoMedia em 1998, o chamado Rocket e-book, mas existem outros como o Everybook, o Softbook e outros palms que com os sotfwares adequados permitem a leitura de forma muito mais “pratica” e em qualquer lugar, sem fios, sem computador, como os aparelhos Blackberry.

Para encerrar quero destacar entre outros o electronic-paper display da Amazon, o Amazon Kindle, dispositivo que promete muito, dotado de wireless o que permite comprar um e-book a partir do seu proprio Kindle, com uma resoluçao 600 x 800 pixel, um display de 6 polegadas, acesso para o Wikipedia, dicionario incluso (ingles)e que ainda possibilita a assinatura dos principais jornais americanos e ainda outros jornais e revistas internacionais, possibilitando também acesso a alguns blogs.

Vejam a apresentaçao no video abaixo:

Sera possivel criar novos rituais para a leitura? Talvez bichinhos como esse permitam uma familiarizaçao maior com o e-book, pesa pouco, leva onde quiser, salva informaçes, etc… Uma especie de “tamagoshi” cultural. Uma “e-biblioteca” de bolso! Talvez com isso eu mude minhas preferencias, mas mesmono final desse video ainda sou pelo velho e bom, romantico livro de papel! Com U$ 359,00   -que é quanto custa o bebezinho atualmente – eu compro muuuuito livro…mas enfim, diante disso, ha de se considerar um investimento a longo prazo. Hum…Ta sem idéia de presente pro meu proximo aniversario? …agora ja sabe!

Eventos: Cultura Digital

Encontro sobre a Revolução Digital inaugura série de eventos no Nave no dia 5 de julho

Fiquei sabendo pelo blog do Fabio Seixas e achei interessante linkar aqui. Se eu estivesse no Rio iria com certeza! Depois do evento o material ficara disponivel no site e, para quem nao puder ir, tem a transmissao online. Vale a pena conferir!

Sera no dia 5/7/2008 a partir das 14h na Rua Uruguai, 204 – Tijuca, CIDADE MARAVILHOSA (no Nave)

A Moderna Concepção da História

Em seu texto Entre o Passado e o Futuro Hannah Arendt coloca o esvaziamento do protagonismo das ações do homem e dos eventos particulares em função de uma concepção especifica da historia, qual seja, a concepção moderna.

A concepção moderna da historia, segundo Arendt, encara a historia como um processo quase natural, que se movimenta autonomamente para um telos, uma historia que não se detem às ações do homem para entender política, mas sim ao conjunto de acontecimentos representado por um “todo” único que caracteriza a esta concepção processual da historia. Este todo se moveria por natureza, estando além e independente das particulares contingências das singulares situações, escapando assim do domínio do homem. Logo a historia enquanto processo seria supra e transcendente às ações do homem e aos eventos cotidianos, uma grande engrenagem independente das partes menores do processo.

Arendt argumenta que neste modo de entender a historia é como se os eventos perdessem o seu vigor porque a historia já estaria de alguma forma “tramada” e os homens sofreriam-na ao invés de agi-la.

No intento, este aspecto de “naturalidade” nesta forma de conceber a Historia vai de certa forma banir dela aquilo que Arendt chama “impredizível”, fazendo com que se acreditasse numa possível previsibilidade de tudo, como se fossem realizáveis leis para esta disciplina capazes de sistematizar a exploração deste processo e torná-lo não só compreensível, mas previsível, em detrimento de toda sorte de factualidade.

Porém esta forma de tratar a historia como independente do factual (algo que já estaria traçado e “funcionando” de acordo com este processo implacável) tem conseqüências sérias, algumas destacáveis, como segundo a própria autora, os regimes totalitários do século XX. Explicando: aceitar a historia como este “ente” superior ao homem é como relegar a experiência humana ao “correr solto”, pois presença de regras e o respeito ou desrespeito a estas seria indiferente na concepção processual da historia, na qual o todo é imutável em relação às pequenas e particulares ações do homem. Isto alteraria o modo do homem compreender o mundo e atuar nele e segundo a autora este novo relacionar-se do homem com o mundo se daria na forma de mudanças na moral e na política. O comprometimento do homem com a política seria diminuído e fragilizado, enquanto a moral seria afetada por uma grave crise ética e isto seria causado pela drástica redução ou ausência do senso de responsabilidade deste homem em relação ao “todo” que então significa a historia, uma vez que esta não está mais atrelada às ações do homem, este também se descompromete eticamente com esta. O ponto nevrálgico apontado por Arendt dentro desta concepção moderna de historia é que “isento” de responsabilidades e com seu código de ética fortemente alterado e corrompível o homem se permitiu cometer e assistir experiências injustificáveis como o caso dos regimes nazi-fascistas.

Relacionado a este assunto:

CIÊNCIA MODERNA E HISTÓRIA do Prof. Dr. Silvio Medeiros, Publicado no Recanto das Letras em 20/11/2006

Hoje: Download Day do Firefox 3

Quem ouviu falar? Eu tinha lido ha uns dias atras no blog da Flavia (que é em italiano, mas tenho acompanhado bastante e estou interessada no curso de Web que ela esta fazendo)

Eles te convidam a participar ajudando o firefox a entrar pro Guinness:

Estabeleça um Recorde Mundial no Livro dos Recordes Guinness
Ganhe uma Web melhor

Parece um bom negócio, não acha? Tudo o que você precisa fazer para nos ajudar a estabelecer um novo recorde para o software mais baixado em 24 horas é baixá-lo agora – é fácil assim. Não estamos pedindo que você engula uma espada ou equilibre 30 colheres no rosto ao mesmo tempo – apesar de que isso seria incrível.

Por favor, baixe o Firefox 3 até às 18:16h UTC em 18 de Junho de 2008. Ou seja, até às 11:16h em Mountain View, 14:16h em Toronto, 15:16h no Rio de Janeiro, 20:16h em Paris, Madrid, Roma e Varsóvia, 22:16h em Moscou, e no dia 19 de Junho de 2008 até à 2:16h em Pequim e às 3:16h em Tóquio.

Eu ja  estou baixando o meu! Até porque, eu uso o Zotero e o Zotero requer o Firefox! 😉