Month: April 2013

Unconventional History? A history which is born digital, a history which is born public (poster session)

@ #ncph2013 Annual Meeting

Introduction: Why unconventional?

Digital History is not a very common practice in History field of Brazilian academy yet. Although the use of the most recent information and communication technologies by historians has been increased, it still sounds like an unconventional habit.  The first signs of Digital History in Brazil arrive as a result of the increasing use of those technologies inside the History field, but indeed, it does not mean that Brazilian historians are already thinking about Digital History.

A problem that derives from this narrow understanding of Digital Media interaction with History is about the historical contents available on Internet. If they are not from universities or distinctive institutions (i.e. archives, libraries, museums), they are not taken into consideration. In other words: non-academical works – like those published on the Internet by common people – are not welcome in our scholar tradition. It could be too dilettante.

Nowadays, also in Portuguese, there are lots of websites with some historical vocation created by common people and amateurs, such as blogs, forums, social network pages, profiles, etc. It shows that a social interest in the past exists. Even though, historians still ignore these sites and consequently those people. The question is not about a prejudice related to them, but a crystallized view that hierarchizes information generators and supports. For instance, there is a small number of researchers that consider work with digital born materials in their projects.

Resources from the Internet do not inspire confidence yet.They cannot prove anything. They cannot be part of History!

What is going on in Brazil?

Historians do not want loose the control of History. Thus, they prefer to create official Digital History projects instead of considering what is already on the Internet. The main outcome of this way of thinking is that we have started to create digital projects before having accepted born digital contents as a valid format of source for History.

Therefore, the history available on the Internet that was created by historians is good. The others are not.In such scene, there are some official initiatives that are stamping their authority in digital projects to communicate historical subjects on the World Wide Web. By using digital technologies, these projects shows that different media can create new spaces where share history knowledge.  Moreover, they indicate, even for those historians that are most resistant to technology, that it can be useful to encounter fresh and varied audiences.

Case study – Identidades do Rio de Janeiro: desafios de um patrimônio compartilhado (Identities of Rio de Janeiro: challenges of a shared heritage)

As an illustration of this process, we have selected the publicly funded project “Identities of Rio de Janeiro: challenges of a shared heritage”, which is interesting even by its own name, that brings together the “sharing” and “challenge” ideas. It is also important to realize that it was a project of the Oral History and Image Lab (Laboratório de História Oral e Imagem – LABHOI) of Universidade Federal Fluminense (Niterói-RJ, UFF).

The Project:

The project received a grant named “Support to Study Strategic and Relevant Issues to the State of Rio de Janeiro ”from the Carlos Chagas Filho Foundationfor Research Support of the State of Rio de Janeiro (Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro – FAPERJ) in 2009. It is coordinated by Professor Hebe Maria da Costa Mattos Gomes de Castro, a Brazilian notably oral historian. This close relation to the Oral History field is not a coincidence. It is just one more feature of the problem that converges with Public History. Equally relevant is the composition of the staff: the team is multidisciplinary, composed by historians, anthropologists and educators. In the total, there are 34 researchers in the project, that are involved in 05 Postgraduate Programmes of the state, besides those whom are from Public Archiveof the State of Rio de Janeiro (ArquivoPúblico do Estado do Rio de Janeiro), the General Archives of the City of Rio de Janeiro (Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro), the Museum of History and Art of the State of Rio de Janeiro (Museu de História e Arte do Estado do Rio de Janeiro) and the Institute of National Historical and Artistic Heritage (Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

How does it work?

It presents hypermedia collections that allow users navigating on the historical maps, get into different pathways and periods of Rio’s history. All the paths offered deal with identity  and local memory issues in some way, from 17th Century until nowadays (in some topics). The collections present maps, texts, videos, 3D digital mockup of the city and also direct access to digital sources.

Pathways: Fire, urban life and public service in the nineteenth century; Niterói: City of memories; The Illegal trade of africans enslaved; Coffee farms; Slavery and Catholic Church; Rio de Janeiro in the time of D. João (1808-1821); Political-administrative chronology; The natives in Rio de Janeiro; Choro Chronology.

Pathways: Fire, urban life and public service in the nineteenth century; Niterói: City of memories; The Illegal trade of africans enslaved; Coffee farms; Slavery and Catholic Church; Rio de Janeiro in the time of D. João (1808-1821); Political-administrative chronology; The natives in Rio de Janeiro; Choro Chronology.

The overview bellow is from the “Slavery and Catholic Church” pathway. What is interesting to observe in this collection is the partnership between Identidades do Rio and the digitalization project “Ecclesiastical Sources in Slave Societies“. Also this project were developed in a collaborative shape, involving researches and students from three different countries: Universidade Federal Fluminense (Brazil, UFF), Vanderbilt University (USA, VU) and York University (Canada, YU).

The first step of the “Slavery and Catholic Church” collection is specifically about “Ecclesiastical Sources”

The first step of the “Slavery and Catholic Church” collection is specifically about “Ecclesiastical Sources”

The movement of “Identidades do Rio” toward a digitalization project such as “Ecclesiastical Sources in Slave Societies” shows that in some way, even if we change support, we are still looking for official sources. On the one hand, it indicates a resistance to use other kind of digital sources, instead of those from authorized projects and sites. On the other hand, perhaps, it could mean that the Brazilian historians involved in this project are not avoiding use digital media, but they still feeling more comfortable working with familiar codes. Thus, they prefer work with scanned sources that are safeguarded by scientific instituitions and have their stamp of authority.

Horizon

Notably, it could be helpful in the educational process of citizens in general, to open a dialogue between universities and popular culture. Maybe, one way to start an exchange between community and academy is giving them a voice and a space to see themselves represented by History. But not by that distant History, confined between the walls of the university. They must feel part of a History that they can touch and feel closer.To sum up it: Public History would be a good manner to break the ice and start off a conversation between academy and everybody else!

As we could see a Digital History project can be a step toward this horizon but maybe, before anything else, we need to learn how to deal with those issues that intimidate historians when they start to work digitally. In the Brazilian case, at first sight, the problem seems to be related to the “shared authority” and the “professionalization” debates.

#NCPH 2013 #thatcamp

[Aviso: este post estará sob edição durante as sessões que estou acompanhando do ThatCamp NCPH 2013]

Começou a manhã no ThatCamp aqui do NCPH Annual Meeting. Experiência diferente, escolher as sessões e montar a programação  – coletivamente –  no mesmo dia em que começa o evento.

Na sessão sobre “Digital Neighborhoods” já deu para começar a pensar sobre Public History no contexto carioca de revitalização. Como seria fazer um projeto digital sobre a memória do Rio antigo e a zona portuária que está sendo revitalizada?

Começamos pensando no caso específico do projeto The Historyapolis.

Um dos primeiros problemas levantados foi a questão dos fundos. Com que financiamento fazer projetos deste tipo? A quem interessa financiar? Penso no caso do “Meu Porto Maravilha” – sala de exibição – criado pela concessionária que está a frente da revitalização da zona portuária do Rio. Ann Martin chama atenção para o fato de que há sempre fundos para o que tem um valor. Imagino então o valor do Meu Porto Maravilha, não para o povo do Rio, mas para a concecionária Porto Novo.

Uma maneira interessante de pensar projetos digitais para histórias de bairros e cidades seria começar por onde a comunidade local já atribuiu um valor. Eu penso que no caso carioca, toda a produção de conteúdo espontânea em torno à Aldeia Maracanã renderia um bom trabalho de campo (por que não, digital?). Há uma grande quantidade de vídeos, fotos e posts dispersos pelas redes sociais. Seria muito presente para ser História?

Pensando que seria interessante fazer algo com o Historypin para projetos de “Digital Neighborhoods”, já que a inspiração do Historypin é justamente tentar envolver a comunidade com a memória de suas localidades.

[sob edição]

Preciso colocar as anotações em ordem para passar para cá, mas só posso garantir uma coisa: eu não sei nada de Digital & Public History. A tarde do primeiro dia de conferência com o THATCamp foi positivamente desestruturadora, trazendo novas coisas para pensar como o uso da realidade aumentada em projetos de digital e public history, como possobilidade de romper com o tradicional mode de exibição em museus, geralmente linear, cronológico e temático. Ontem as discussões foram no sentido de trazer emoção e possibilidades de experiências sensoriais para a apresentação do passado nas mais diferentes formas que as novas mídias permitem.

Preciso compilar as notas do segundo dia antes de postar. É muito brainstorming pra pouco tempo livre para edição. 🙂

Evento: Humanidades digitales: visibilidad y difusión de la investigación

 Divulgação via revista Diacornie

Imagem

El Grupo de Investigación Siglo de Oro (GRISO) de la Universidad de Navarra anuncia la convocatoria del Congreso Internacional «Humanidades digitales: visibilidad y difusión de la investigación», que se celebrará en Pamplona los días 23 y 24 de mayo de 2013.

Objetivos y áreas temáticas
Los principales objetivos del Congreso son compartir experiencias y avanzar en el conocimiento de las diferentes maneras de aplicar la Comunicación Digital y las Nuevas Tecnologías a la difusión de la investigación en Humanidades, haciendo en última instancia más visibles los resultados de nuestro trabajo. El congreso se organizará en torno a cuatro grandes áreas temáticas:

  • Blogs y redes sociales. Los blogs y las redes sociales, las generales y las de carácter más académico, constituyen vehículos importantes para dar a conocer nuestro trabajo entre los colegas del mundo universitario, pero son también una herramienta fundamental para llegar a un público más amplio.
  • Revistas digitales. La necesidad de visualizar nuestra investigación ha impulsado, entre otras razones, la aparición y consolidación de revistas digitales en Internet. Poder tener una fotografía de la situación actual de los proyectos en marcha y conocer los requisitos de indexación de las revistas son aspectos centrales que requieren también nuestra atención.
  • Edición digital. El libro electrónico va consolidando un espacio propio en el ámbito de las publicaciones en Humanidades. Acercarse a los estándares existentes y conocer la situación actual de este mercado y las posibilidades de futuro nos ayudará a estar presentes en este cambiante mundo.
  • Divulgación de la investigación / Visibilidad / Bibliotecas digitales. Bases de datos de publicaciones, repositorios académicos, publicaciones on-line, materiales en Open Access, etc., nos acercan el trabajo de muchos colegas y ponen a nuestra disposición vías para dar a conocer nuestras investigaciones. Asimismo parece conveniente contemplar las implicaciones legales que se suscitan en este ámbito.

Evento italiano sobre História Contemporânea: Revistas digitais e o estudo do passato em discussão

Università della Tuscia – Centro Studi sull’Europa Mediterranea – Consorzio delle Biblioteche di Viterbo – Riviste online “Diacronie e “Officina della storia

In collaborazione con Società Italiana per lo Studio della Storia Contemporanea

Una “nuova” storia contemporanea? Le riviste digitali e lo studio del passato

Viterbo, 16-18 maggio 2013

Progetto scientifico e culturale

La diffusione delle tecnologie informatiche nel sapere umanistico e la stessa categoria epistemologica delle “Digital humanities” costituisce un fattore di trasformazione del mestiere dello storico rispetto alle pratiche storiografiche tradizionali, al suo ruolo nella società dell’informazione e ai linguaggi del fare e del comunicare storia.

Riprendendo alcuni spunti di analisi emersi nel Convegno Sissco su “La storia contemporanea attraverso le riviste”, può essere utile soffermarsi in maniera sistematica sullo sviluppo delle riviste elettroniche a carattere scientifico e sulle peculiarità della cosiddetta “Digital History”.

Rispetto ad un primo censimento compiuto nel 2006, il panorama nazionale delle riviste storiche in digitale è sensibilmente cresciuto ed è ancora più ampio se si allarga lo sguardo al contesto europeo e alla scena internazionale.

La nascita dei portali tematici, la digitalizzazione delle riviste cartacee, la messa in rete di archivi e biblioteche, la creazione di consorzi per l’accesso (a pagamento e non) alle riviste scientifiche, stanno rapidamente moltiplicando gli strumenti di lavoro a disposizione dello storico. In generale, si è assistito ad un vero e proprio rivolgimento nell’organizzazione del sapere, con una significativa ricaduta anche in campo educativo, come ci mostra, ad esempio, la moltiplicazione dei corsi universitari in modalità e-learning. Sono venute meno, così, molte pregiudiziali che in passato erano sorte intorno alle riviste digitali, non di rado contrapposte a quelle cartacee.

Oggi assistiamo, invece, ad un processo di completamento tra questi due mondi, un’ibridazione che ha modificato la stessa fisionomia delle riviste tradizionali. Questa positiva evoluzione pone tuttavia problemi di non facile soluzione. L’ingresso delle riviste digitali nella storiografia ha prodotto conseguenze nella narrazione storica, che sembra rispondere a parametri e a modalità molto diverse rispetto a quelle utilizzate in passato.

Così come la possibilità dell’accesso immediato alle fonti consentita dallo strumento digitale – l’immediata fruibilità, ad esempio, delle immagini e dei documenti audiovisivi – pone non pochi problemi di attendibilità, identificazione e riproducibilità delle fonti.

Si sta verificando, dunque, un radicale cambiamento della conoscenza storica, così come sta accadendo nelle scienze sociali e negli studi umanistici. Le riviste digitali sono forse l’espressione più importante di questa mutazione. Esse offrono molteplici possibilità di accesso alla storia e alla sua divulgazione. Oltre a modificare lo statuto della disciplina, lo sviluppo della storia in digitale influenza anche il processo formativo dello storico: si aprono, infatti, infinite possibilità di conoscenza, ma si moltiplicano anche i rischi di dispersione per la ricerca e lo studio.

Sempre più forte è allora l’esigenza di promuovere una riflessione accurata sulle riviste digitali e sullo studio della storia, con attenzione alle metodologie e ai problemi interdisciplinari posti dalla contaminazioni tra strumenti e linguaggi diversi ma destinati a integrarsi sempre di più nella teoria e nella pratica della ricerca, nella produzione storiografica e nel discorso pubblico sulla storia.

Si tratta di analizzare le diverse forme della narrazione storica, il rapporto tra la pagina digitale e le fonti audiovisive, le potenzialità di un intervento in tempo reale nel discorso pubblico e il ruolo delle riviste online nella didattica della storia.

Prendendo le mosse dal panorama italiano delle riviste online degli ultimi dieci anni, l’analisi può essere allargata al dialogo tra le generazioni, alla valutazione accademica delle testate elettroniche, al problema della fruizione gratuita dei contenuti, alle riviste prodotte sul territorio dalle istituzioni culturali e bibliotecarie, fino alla creazione di un vero network delle riviste di storia in digitale a libero accesso.

L’internazionalizzazione delle reti di comunicazione tra le comunità scientifiche induce ad ampliare la ricognizione al mondo anglosassone e alla realtà europea, con i casi di studio ormai classici della Francia, della Germania e della Spagna e una finestra sulle tendenze in atto nei paesi dell’Europa orientale e nei paesi extra europei.

È un percorso di analisi da verificare con una tavola rotonda conclusiva, con l’obiettivo di superare le barriere esistenti tra le riviste storiche cartacee e le riviste elettroniche, rafforzare il dialogo tra le generazioni e rilanciare, oltre alla dimensione puramente accademica, la funzione della storia e il ruolo dello storico nel dibattito scientifico e culturale del tempo presente.

Programma dei lavori

Giovedì pomeriggio 16 maggio – Rettorato Un. Tuscia, S. Maria in Gradi – Aula seminariale

Saluti e apertura dei lavori

Marco Mancini (Rettore Università Tuscia)

Alessandro Ruggieri (Dipartimento di Economia e dell’Impresa)

Agostino Giovagnoli (Presidenza Sissco)

1. Metodologie e problemi interdisciplinari

Introduce e coordina Gino Roncaglia (Un. Tuscia)

Le origini della rete (Tommaso Detti, Un. Siena)

Linguaggi e uso pubblico della storia (Maurizio Ridolfi, Un. Tuscia)

Dieci anni di storia digitale (Giancarlo Monina, Un. Roma III)

“Comunicare” la storia contemporanea (Mirco Dondi, Un. Bologna)

“Vedere la storia”: il digitale e le fonti audiovisive (Sante Cruciani, Un. della Tuscia)

Venerdì mattina 17 maggio, Rettorato, aula seminariale

La storia online in Italia

Presiede: Carlo Spagnolo (Un. Bari)

Le riviste di storia on line in Italia (Guido Panvini, Un. del Molise)

Il dialogo tra le generazioni (Marco De Nicolò, Un. Cassino)

La valutazione delle risorse storiche online (Gia Caglioti, Un. Napoli Federico II)

La produzione digitale di biblioteche e istituzioni culturali (Gilda Nicolai, Un. Tuscia)

Venerdì pomeriggio 17 maggio, Rettorato, aula seminariale

Il panorama internazionale

Presiede: Matteo Sanfilippo (Un. Tuscia)

Il mondo americano e anglosassone (Claudia Baldoli, Un. Newcastle)

La Francia (Elisa Grandi – Université Paris VII )

La Germania (Paolo Capuzzo, Università di Bologna)

La Spagna e il Portogallo (Matteo Tomasoni, Un. di Valladolid, Enrico Acciai, Un. Tuscia);

L’Europa orientale (Marco Abram, Università di Udine)

L’America Latina (Jacopo Bassi, “Diacronie”)

Sabato mattina 18 maggio, Consorzio delle Biblioteche, Viale Trento 24 

ore 9,30. Workshop delle riviste online di storia contemporanea

Saluti di Paolo Pelliccia (Commissario Biblioteca Consorziale di Viterbo)

Presiede Serge Noiret (Istituto Universitario Europeo, Fiesole)

Per un net-work delle riviste digitali a libero accesso: un’ipotesi di lavoro (Deborah Paci, “Diacronie” e Università di Padova)

Tecnologia informatica, storia e riviste digitali (Anna Caprarelli, “Officina della storia” e Un. della Tuscia)

Partecipano:

“Storicamente” Alberto de Bernardi (Un. Bologna)

“Storia e futuro” “ Angelo Varni (Un. Bologna)

“Daedalus” Vittorio Cappelli (Un. della Calabria)

ore 11,30: Tavola rotonda

Coordina: Maurizio Ridolfi (Un. Tuscia)

Partecipano:

Franco Benigno (Università di Teramo)

Giovanni Fiorentino (Un. Tuscia)

Domenico Fiormonte (Un. Roma III)

Andrea Graziosi (Un. Napoli “Federico II”)

Stefano Vitali (Sovraintendenza Archivi Emilia-Romagna)

Tentando pesquisar na Internet de dentro da UFRJ (IH)

Tentando pesquisar na Internet de dentro da UFRJ (IH)

Acesso negado para acessar o 1º ponto do roteiro “Escravidão e Igreja Católica” do Projeto Identidades do Rio (LABHOI/UFF): Arquivos eclesiásticos.

O contrelo de acessos do laboratório de informática do Instituto de História bloqueia acesso ao Youtube, daí, como este item do roteiro em questão se trata de um vídeo, meu percurso foi interrompido.

Ócios de tentar trabalhar com coisa muito nova em um ofício em que tudo é tão “velho”, do passado, empoeirado.

Ou, simplesmente, falta educação aos estudantes para utilizar os computadores para fins de pesquisa e o pessoal administrativo responsável resolveu “fechar” o acesso a determinadas categorias de sites?

Vá saber…

Meta-postagem, ou por que não confiar cegamente no Google?

Hoje percebi que, ao menos em minha máquina (isto é, com meu IP e minhas configurações pessoais de navegador), ao pesquisar no Google o termo “Leopold von Ranke” o link para o meu post Século XIX: História como disciplina (que fala sobre Ranke) aparece em 3º lugar entre os resultados da busca, antecedido apenas pela Wikipedia em português e por aquela em inglês. O post foi criado em junho de 2008, segundo mês de vida deste blog:

Imagem

Google: Leopold von Ranke

Diante disto, decidi fazer uma advertência aos leitores do post, concedendo-me a auto-licença de adicionar o seguinte UPDATE ao final do texto:

Curiosamente, quase cinco anos após a criação deste blog, este post tem sido um dos mais visitados e mais comentado. E o é embora não seja um texto com linguagem web friendly e, nem mesmo, trate do principal tema deste blog: Digital History / Storiografia Digitale. Até ontem (06.04.13), o termo de pesquisa “Leopold von Ranke” trouxe 913 pessoas a este blog. Apenas “Ranke”, 598. No total, este post recebeu neste período, 14.445 visualizações, sendo o mais visitado e comentado do blog, que conta com 109 postagens. Eu não sou uma especialista em Ranke e estou longe de ser uma autoridade em debates sobre historiografia alemã, gostaria que os leitores tomassem consciência disso. Sobretudo, pois notei através dos comentários recebidos, que alguns leitores talvez sejam, como eu à época, estudantes de graduação. Alguns buscando via Google respostas para as suas perguntas, possivelmente para suas provas e avaliações. É importante dizer que o texto, que assino com o colega Miguel Carvalho Rêgo, na verdade, foi produzido para uma avaliação da disciplina “Metodologia da História II”, ministrada pelo saudoso Prof. Dr. Manoel Luiz Salgado Guimarães, em 2007, na UFRJ (IFCS). Este professor, inquestionavelmente responsável pela minha escolha por este caminho da História, nos deixou precocemente, mas deixou também muita inspiração. O pensamento de Manoel (que amava ser professor), por si só, me lembra a feliz escolha de curso que fiz. Foi, provavelmente no curso (tópico especial) de “História, Memória e Patrimônio” que foi despertado em mim o desejo de estudar mais teoria, metodologia e me fez seguir, como tem sido até hoje, seduzida pelo tema até o mestrado. Reler o texto revela outra Anita (e provavelmente outro Miguel), revela a passagem inexorável do tempo e a imaturidade das ideias de uma menina de 21 anos, recém-chegada ao Rio de Janeiro para descobrir o que não era História. Obrigada, sempre, prof. Manoel Salgado.

De certo, este é um belo exemplo de como podemos ver o mundo através dos olhos do Google. É possível que algumas pessoas nestas milhares de visualizações tenham utilizado o tal texto para algum fim, parcial ou integralmente (torço pelo não plágio!). Nunca saberei o que esta leitura desencadeou em suas cabeças, nem se o texto foi lido até o final. Espero que não tenha sido tomado ao pé da letra como verdade. Porém, no fim das contas, não poderei saber nunca se, de fato, ele foi contextualizado como um artigo raso, bem questionável, escrito por não especialistas sobre a “história como disciplina”. Obviamente, a autoridade que o Google nos concede, (não deixa de ser um tipo de autoridade), este poder de voz, assusta. Isto me faz repensar a responsabilidade que temos com as informações que colocamos em circulação. Do ponto de vista da História, o quão complexo é o problema da classificação das informações dispersas na rede, não qualificadas, hierarquizadas ou vinculadas a instituições que confiram alguma “confiabilidade” a elas.

Gostaria que o meu post (que na verdade é um texto escrito a quatro mãos) não virasse uma espécie de cola-burra para estudantes de graduação, nem parecesse o resultado de uma grande investigação científica, nem fosse tomado como o mais correto blablablá, etc. Apenas o deixo na rede por considerar que ele faz parte da história deste blog e que, se lido criticamente, possa ser uma unidade a mais de divulgação científica no ciberespaço.

Clicar, em vez de viver, tornou-se norma

Clicar, em vez de viver, tornou-se norma

Artigo por Marsílea Gombata sobre o curioso projeto do fotógrafo Fabio Seixo: Photoland.

Segundo o próprio fotógrafo, em uma postagem de amostra do trabalho no Vimeo, Photoland é:

“um ensaio fotográfico já em andamento desde 2008, é o resultado de um trabalho que venho realizando em várias cidades (Rio, Londres, Paris, Nova York, Cidade do México, Roma, Veneza, Cuzco). Basicamente, são fotografias que capturam pessoas na aparente banalidade do ato de fotografar. A popularização das câmeras digitais torna a Fotografia hoje, possivelmente, o maior hobby do planeta, atingindo todas as classes, idades e culturas. Em todos os lugares, ocasiões e acontecimentos, estamos fotografando ou sendo fotografados.”

O projeto é uma provocação à reflexão da experiência que as pessoas digitalmente equipadas têm hoje diante de monumentos, obras de arte e pontos turísticos conhecidos. Muitos parecem estar vivendo mais o afã de fotografar para salvar e compartilhar, do que a real experiência sensorial e estética do momento em que lá estão presentes. Parece que caminhamos rumo à aporia do salvamento/arquivo completo. De fato, quando vejo nestes lugares as pessoas mais preocupadas com suas fotos do que com a paisagem real, me pergunto a que tipo experiência de estão se propondo, que personas constroem, para quem performatizam este discurso imagético (?).

Outro artigo relacionado: O olhar como performance, do Icônica, por Ronaldo Entler.

“Tortos” e Direitos Humanos

Algo precisa ser estudado, refletido, pensado, questionado e debatido publicamente. E é urgente. Seja pelo ponto de vista da História, do Direito, da Sociologia ou da Antropologia. As humanidades precisam olhar com mais atenção para isso.

Há pouco li a seguinte nota a partir de um link no Facebook do Deputado Jean Wyllys:

“Alvos recentes de uma pesada campanha difamatória e caluniosa por sua firme oposição à eleição e permanência do deputado Pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, dadas as suas declarações públicas de teor racista, homofóbico e misógino em redes sociais e fora delas, os deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Erika Kokay (PT-DF) e Domingos Dutra (PT-MA) decidiram representar criminalmente – por calúnia, difamação, falsificação de documento público, injúria, falsidade ideológica, formação de quadrilha e improbidade administrativa – o deputado Pastor Marco Feliciano, o pastor Silas Malafaia, e os assessores parlamentares Rafael Octávio, Joelson Tenório, André Luis de Oliveira, Roseli Octávio e Wellington de Oliveira, por produzirem vídeos, notas, postagens em redes sociais, ou colaborarem ativamente na propagação destas, atribuindo aos deputados, entre outros, a defesa da pedofilia como bandeira política.”

Comecei a ler a representação criminal dos deputados e só consigo ficar mais perplexa com o tipo (baixo!) de disputa por autoridade e verdades que está em andamento. A busca desmedida pelo “poder” pela via da desclassificação do outro, não pela via da Política. Como historiodora e defensora do Estado Laico (pois isto é coisa do homem), manifesto meu desapontamento e insatisfação perante tudo isso. Como ser humano livre para amar o próximo – independente de seu sexo e opção sexual -, manifesto minha revolta pela Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da nossa Câmara de Deputados estar sendo presidida por um homem que tem se mostrado tão incapaz de compreender as diferenças que nos fazem tão maravilhosos.

Preocupa-me a campanha de ódio que se alimenta dessas brigas e utiliza a Internet para divulgar aos quatro ventos a sua intolerância. Preocupa-me uma política que busca a segregação calcada no preconceito. Preocupa-me a inocência daqueles que, emotivamente envolvidos, assumem o discurso do outro como seu, sem ter tido a chance de problematizá-lo. Eu sinto muito viver nesta sociedade em que algumas pessoas devam aceitar o constrangimento ao medo de serem quem são em nome de uma moral supostamente fraternal e critã como a que vem sendo esbravejada por “irmãos” como Silas Malafaia e Marco Feliciano. Eu realmente custo a acreditar que a associação absurda entre pedofilia e homossexualidade (já batida em blogs de ódio como o escabroso Silvio Koerich, cujos mentores foram presos ano passado) esteja sendo reproduzida na Internet sem maiores problemas, na cara (senão, pelas mãos e bocas) de políticos que deveriam zelar pelos Direitos Humanos.

O trecho da representação criminal que descreve os fatos motivadores da ação é mais do que suficiente para ilustrar minha incredulidade. Ler a transcrição do vídeo PASTOR MARCO FELICIANO RENUNCIA (até o momento que escrevo este post, visto 539.038 vezes), linha por linha, sem o envolvimento dos efeitos sonoros e imagéticos da montagem, me fez parar por mais uma vez para refletir sobre o que está acontecendo. Isto é coisa pública, não deve ser uma causa das minorias, deve ser, e é, um problema de todos. Eis a transcrição:

II. O vídeo manipulado e afrontoso conclamando os fiéis contra parlamentares ligados aos Direitos Humanos e acusando os deputados de defensores da pedofilia.

O Deputado Federal Pastor Marco criou uma produtora em nome de um dos seus assessores: a WAPTV Comunicações. Essa empresa fica encarregada da criação de diversas campanhas publicitárias de crimes contra a honra de defensores de Direitos Humanos. Um dos seus produtos recentemente criados foi o vídeo com o título “Marco Feliciano Renuncia”. Vejam a transcrição do instrumento de divulgação ilícita:

Locução: – “Marco Feliciano. Cansado. Sobrecarregado .
Caluniado.”

Vozes de manifestantes: “Feliciano! Racista! Feliciano! Racista!”

Locução: -“A sua última alternativa… Renunciar! A Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados sempre foi presidida por simpatizantes de movimentos homossexuais. ”

Fala da deputada Érika Kokay: – “Houve um aumento muito grande de beijo na boca no Brasil em praça pública.”

Locução: – “Somente o anúncio de que poderia ser ele o presidente da Comissão já provocou revolta dos simpatizantes da causa LGBT. Pelos corredores, deputados organizaram de forma obscura a manipulação de protestos para coagi-lo a desistir

“Fala do deputado Jean Wyllys: “Ele não vai aguentar essa pressão que é uma pressão nacional.”

Locução: “Quem são esses manifestantes?”

Fala do deputado Jean Wyllys: “(…) receber quando todo mundo descer e que a gente decidir coletivamente, Tem que aprender a agir coletivamente (…)”

Locução: “Líderes que fazem discursos políticos, inflamados no preconceito contra cristãos…”

Fala do Reverendo Márcio Retamero no Seminário Nacional LGBT 2012: “ (…) o casamento civil igualitário vai dar muito trabalho porque essa desgraça dessa palavra tá eivada de sentimento cristão (…)”

Locução: “Eles dizem ser política…”Voz de manifestante: “Isso aqui é um movimento pacífico. Esse movimento não é contra a religião do Feliciano, hein… ”

Locução: – “Mas a pergunta: por que receberam suas entidades na entrada de uma igreja evangélica?”

Cenas de manifestantes batendo tambores em frente a igreja do deputado Feliciano em Ribeirão Preto.

Locução: “Por que gritavam palavras religiosas?”

Vozes de Manifestantes: “Saravá! Saravá!”Locução: “E por que agrediram uma pessoa quando decidiu gravar a sessão de ritual macabro?”

Cenas com legenda de identificação do ativista LGBT Fábio Jesus, presidente da ONG Arco-Íris, que levou a mão à câmera do cinegrafista que filmava os protestos em frente a igreja do deputado Feliciano.

Fala do deputado Jean Wyllys no programa ‘Sem Sensura’ da Tv Brasil, exibido no dia 03/07/12: – “ (…) Daí a importância do meu mandato. Eu não temo não me reeleger. Eu não tenho medo de não me reeleger. [Corte de imagens] (…) Os orixás me
deram esse mandato.”

Cenas repetem imagens realizadas em frente a igreja do Deputado Marco Feliciano em Ribeirão Preto aonde manifestantes aparecem tocando tambores e um ativista LGBT
aparece impedindo a filmagem utilizada no vídeo ‘Pastor Marco Feliciano Renuncia” .

Locução: “Toni Reis, presidente da Associação de Lésicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais. Ele pede privilégios para essa classe, alegando ser eles perseguidos violentamente, mas na verdade a violência vem dele mesmo.”

Imagens da Comissão de Direitos Humanos do dia 13/03/2013 aonde mostra-se Toni Reis discutindo com um senhor, aparentemente um representante ou pastor de igreja evangélica.Legenda: “Toni Reis agride covardemente um idoso”.

Fala do Toni Reis: “Eu não sou cristão. Eu não sou obrigado. “

Toni Reis empurra o representante ou pastor de igreja
evangélica.

Locutor: “E chega nas Ruas…”

Legenda: “Apresentação de Gupo Católico e tumultuada por
ativistas LGBT”.

Imagens da “Cruzada pela Família” promovida pelo Instituto Plínio Corrêa na cidade de Curitiba, PR, 14/01/13, contra os direitos LGBT e contra os direitos das mulheres em que
cidadãos curitibanos protestam contra a manifestação discriminatória do Instituto.

Legenda: “Sem reações Grupo Católico é agredido Fisicamente
por ativistas LGBT”.

Legenda: “Seu Líder “É QUEM” dá O exemplo”; Repetição de imagens do Toni Reis discutindo com um representante evangélico na Comissão de Direitos Humanos no dia 13/03/2013.

Apresentação de manchetes/títulos de matérias em sites:
– “Universitário é espancado por travestis e homossexuais em Vitória” – O Globo.

– “Lésbica com ciúmes arranca lábios da namora. Elas são tão “românticas” – Blog resistenciacristaj.blogspot.com.br

– “Lésbica mata companheira com 2 facadas” – gazetadigital.com.br

– “Lésbica mata parceira em Cuiabá após descobrir gravidez,diz polícia” – G1.

– “Travesti diz que matou deficiente em legítima defesa” – campograndenews.com.br

– “Travesti preso é suspeito de matar mulher em São Pedro da Aldeia, RJ” – G1.

Legenda: “Agressão na Porta da Igreja”; repete-se cena de ativista LGBT impedindo filmagem em Ribeirão Preto.

Fala do Reverendo Márcio Retamero no Seminário Nacional LGBT 2012: “Eu estou disposto a pegar em armas se preciso for”.

Locução: “Tudo isso apoiado por estes deputados”

Imagens dos deputados Érika Kokay, Jean Wyllys e Domingos Dutra.

Locução: “…. tendenciosos ….”

Fala da deputada Érika Kokay: – “Antes da faca entrar, ela é afiada, ela vai sendo afiada, e todo mundo vai vendo que a faca esta sendo afiada e nada é feito enquanto a faca está sendo afiada.”

Locução: “… Agressivos….”

Fala do Reverendo Márcio Retamero no Seminário Nacional LGBT 2012: “Eu estou disposto a pegar em armas se preciso for!”

Locução: “Eles visam a aprovação de leis como: a legalização do uso de entorpecentes como a maconha, a liberalidade sexual entre elas casamento de pessoas do mesmo sexo.“

Fala dá repórter da Tv Câmara: “Deputado Jean Wyllys, um plebiscito sobre o casamento gay, qual que é sua opinião?”

Fala do deputado Jean Wyllys: “A gente não pode deixar na mão de uma sociedade que não é bem informada determinados temas, eu acho que os deputados partem da mesma ignorância e dos mesmos preconceitos que grande maioria da sociedade parte.”

Locução: “A pedofilia justificando ser ela capaz de educar sexualmente uma criança de apenas 6 anos.”

Fala da psicóloga Tatiana Lionço no Seminário Nacional LGBT 2012: “Gostaria de iniciar abordando um tema um tanto controverso que é o da sexualidade infantil.”

Fala do pesquisador da UFRJ: “Trabalhar gênero e sexualidade não tem idade mínima.”

Fala da psicóloga Tatiana Lionço no Seminário Nacional LGBT 2012: “Meninos e meninas brincam inclusive sexualmente em seus corpos com outros meninos e meninas.”

Fala de ativista LGBT participante do Seminário Nacional LGBT 2012: “É que as crianças estão aparecendo.”

Fala da psicóloga Tatiana Lionço no Seminário Nacional LGBT 2012:: “Que deixem as crianças brincarem em paz.”

Legenda: APOLOGIA AO HOMOSSEXUALISMO PAGO SEU DINHEIRO.

Fala da representante da ONG Ecos no Seminário Nacional LGBT sobre suspensão do material “Escola Sem Homofobia”: -“E outra… esse material foi feito com recursos públicos.”

Fala do Toni Reis no Seminário do Plano Nacional de Educação por uma Educação sem Homofobia: “Gostaria de agradecer a comissão de direitos humanos ai dos nossos queridos deputados que inclusive aprovamos uma emenda de 11 milhões na semana passada, obrigado ao Chico Alencar que tem sido nosso grande articulador.”

Fala da representante da ONG Ecos no Seminário Nacional LGBT sobre suspensão do material “Escola Sem Homofobia”: – “Recursos da nossa população, que vem dinheiro publico.”

Legenda: “Para ensinar homossexualismo usam o seu dinheiro.”

Locução: “A regularização de profissionais do sexo.”

Fala do deputado Jean Wyllys: “A lei Gabriela Leite é uma lei que regulamenta a prostituição e descriminaliza as casas de prostituição no Brasil.”

Locução: “Sim, o reconhecimento de prostituição como profissão regulamentada e legalização do aborto. “

Imagens de bebês vivos e saudáveis e de fetos abortados posterior à 12ª semana.

Locução: “E por isso Marco Feliciano decidiu renunciar.”

Imagem de feto abortado com a legenda: “Não, não é hora de morrer”

Locução: “ Renunciar sua privacidade, renunciar noites de paz e sono tranquilo, renunciar momentos preciosos com a própria família, a fim de não renunciar a comissão de direitos humanos para que a sua família seja preservada. “

Imagens do deputado Marco Feliciano supostamente chorando.

Legenda: “Então disse Jesus aos seus di quiser vir após mim, renuncie
sua cruz, e siga

Locução: “Renuncie você também.”

Ler isto como um texto, me fez perceber ainda mais, a intencionalidade acusadora da montagem. A sequência de manchetes e crimes passionais envolvendo homossexuais e a seleção das falas dos deputados, seguidas de frases de efeitos da locução, certamente não consistem em uma simples compilação de meros documentos para ilustrar a mensagem do vídeo. Gostaria de ser uma exímia examinadora de discursos para esmiuçar este texto.

Fica um desabafo e um apelo aos colegas que se dedicam ao Tempo Presente: não fechemos os olhos.

UPDATE EM 02.04.2013:

Segundo matéria do Globo.com, após ser acusado de racista, o deputado Marco Feliciano procurou em Porto Velho por 30 pastores negros e tirou foto com eles para mostrar que não é racista. Peraí, minha gente, qual parte é a piada de mau gosto?

E ainda, “capitaliza” em cima do seu “sofrimento”:

“Em Porto Velho, Feliciano participou de um congresso da Igreja Assembleia de Deus. A milhares de fiéis, o pastor e deputado mostrou que a crise no Congresso não o constrange. Pelo contrário: na pregação feita na noite de domingo, o deputado capitalizou com o episódio. Disse estar precisando de ajuda e pediu aos fiéis que comprem seus produtos — CDs, DVDs, livros — e que fizessem ofertas a ele. Feliciano afirmou ainda no discurso ser exemplo para os fiéis, que estavam ali para ver um “mito”, que vem resistindo a “ameaças de morte”. O deputado chegou a falar que os brasileiros ainda ouvirão um presidente da República cumprimentar seus eleitores com “a paz do senhor Jesus”.” (grifo meu)