África

O perigo de uma história única

Introduzo a palestra da escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie (proferida no TED 2009) utilizando-me de suas próprias palavras, nada descreveria melhor porquê preciso compartilhar estas histórias com vocês.

“É impossível falar sobre história única sem falar de poder. Há uma palavra, uma palavra da tribo Igbo, que eu lembro sempre que penso sobre as estruturas do poder no mundo, é a palvra “nkali”. É um substantivo que livremente se traduz: “ser maior do que o outro”. Como nossos mundos econômico e político, histórias também são definidas pelo princípio do “nkali”. Como são contadas, quem as conta, quando e quantas histórias são contadas, tudo realmente dependo do poder. Poder é a habilidade de não só contar a história de uma outra pessoa, mas de fazê-la a história definitiva daquela pessoa. O Poeta palestino Mourid Barghouti escreve que se você quiser destruir uma pessoa, o jeito mais simples é contar a sua história e começar com “em segundo lugar”. Comece uma história com as flechas dos nativos americanos e não com a chegada dos britânicos, e você tem uma história totalmente diferente. Comece a história com o fracasso do estado africano e não com a criação colonial do estado africano e você tem uma história totalmente diferente.”

Sabemos tão pouco sobre este ‘mundo, vasto mundo’. Que tal refletir um pouco sobre o que diz Chimamanda?

LeÁfrica | Palestra: Uma certa moralidade: sexualidade, ordem e vida urbana em Libreville colonial no século XX, Gabão

CONVITE

O Laboratório de Estudos Africanos (LeÁfrica), inaugurando suas atividades do ano letivo de 2011 no Instituto de História da UFRJ, convida alunos, professores, pesquisadores e público interessado para a palestra da Profa. Dra. Rachel Jean-Baptiste (Universidade de Chicago), intitulada “Uma certa moralidade: sexualidade, ordem e vida urbana em Libreville colonial no século XX, Gabão”.

Data: 18 de março de 2011, sexta-feira. | Horário: 15h |Local: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Largo de São Francisco de Paula, n. 1. Centro. Rio de Janeiro. Sala 109

Sobre a palestrante: Rachel Jean-Baptiste é professora assistente de História da África do Departamento de História da universidade de Chicago, especialista em história social, cultural e política da África Central. Sua pesquisa atual tem como foco questões de gênero, sexualidade, vida urbana, colonialismo e legislação no século XX no Gabão. Outros de seus projetos de pesquisa no local incluem ainda como temas  casamentos inter-raciais e a  mestiçagem, bem como a codificação do direito costumeiro. Maiores informações sobre a Profa. Rachel Jean Baptiste vide site.

A palestra terá a duração de 50 min e terá tradução alternada realizada pela Profa. Dra. Lise Sedrez