big-data

Uma Web Ópera sociológica – Paris: Cidade Invisível

Como no post anterior, neste trago um exemplo de projeto digital contendo uma narrativa (?) pouco convencional para aqueles que estão acostumados ao livro ou ao museu. A Ópera é um projeto de big data (repliquei há pouco tempo um link a respeito), criado por Bruno Latour (Text), Emilie Hermant (Photo), Patricia Reed (Screen Design). Navegação não-linear, hipertexto e hipermídia compõem seu cenário.

O “plano” que pincei abaixo é um prato cheio para a discussão de memória, patrimônio e história (último plano, do último circuito, se é que a navegabilidade da obra supõe tal ordem).

Enfim, estou apenas compartilhando esta interessante maneira de ver o invisível aí.

Para visitar esta outra Paris basta clicar aqui.

Line: Allowing | Plan: 51

Line: Allowing | Plan: 51

Advertisements

5 Big Data Projects That Could Impact Your Life

O que podemos fazer com “big-data”?

Ver: 5 Big Data Projects That Could Impact Your Life

Estimulante o post de Eric Larson no Mashable sobre curiosos projetos que trabalham com big-data, ou seja, tratam informática e digitalmente quantidades imensas de informações (humanamente, inapreensíveis para uma pessoa só, diga-se de passagem) que podem acabar oferencendo resultados bem interessantes. Para o caso da História, em particular, vale pensar no que pode dar o cruzamento do Geographic Information System (GIS) com dados sobre o passado.

O artigo cita o projeto Interactive Gettysburg: Modern Maps Reframe History, mas nessa direção vale também conferir o Montréal l’avenir du passé (MAP).

A respeito do MAP, vale conferir o artigo de Robert Sweeny sobre as oportunidades que se abrem ao se cruzar as fronteiras disciplinares e trabalhar em um ambiente colaborativo, intermediado pela tecnologia, como no diálogo entre História e Geografia de MAP: Rethinking Boundaries: Interdisciplinary Lessons from the Montréal l’avenir du passé (MAP) Project.