Chamada para artigos

Chamada – Dossiê “Ensino de História: diferentes enfoques e perspectivas”

img-20170201-wa0012

A EBR – Educação Básica Revista convida para submissão de textos para o próximo número, que contará com o Dossiê – Ensino de História: diferentes enfoques e perspectivas. 

Pensando o Ensino de História não apenas enquanto objeto, mas também enquanto campo de pesquisa que articula conhecimentos da Teoria da História e da Educação, e que tem crescido muito nos últimos anos, nosso objetivo neste dossiê é abarcar trabalhos que pensem os processos de didatização da História, seja na esfera escolar, seja no âmbito acadêmico ou em outros espaços de circulação do conhecimento histórico (museus, web, etc.). Acreditamos que discutir a dimensão “ensinável” deste conhecimento e seus aspectos políticos e axiológicos, de maneira crítica e problematizadora, é extremamente relevante em tempos nos quais se debate nacionalmente o que é considerado válido a ser trabalhado na educação básica e superior. Assim, chamamos para o debate pesquisadores e/ou professores da educação básica para trazer relatos de suas práticas, análises que advenham de seus ofícios cotidianos, dialogando suas experiências com leituras e reflexões teóricas do campo, entendendo a sala de aula como um espaço de pesquisa. Portanto, por meio deste Dossiê chamaremos esses profissionais (que tanto têm a dizer) para uma conversa não hierarquizada, ou seja, para um diálogo efetivo que valorize e compartilhe os saberes próprio de quem ensina e de quem pesquisa.

PRAZO PARA SUBMISSÃO: 02/04/2007

Além dos textos para o Dossíê, continuamos a receber textos em fluxo contínuo para as demais sessões.

Organizadores do Dossiê:

Organizadores:

Marcella Albaine Farias da Costa – Doutoranda em História pela UNIRIO, mestra em Educação, especialista em Tecnologias da Informação aplicadas à Educação e graduada em História pela UFRJ. Foi professora substituta de Didática Especial de História e Prática de Ensino de História da UFRJ e atualmente é professora da educação básica.

Marcus Leonardo Bomfim Martins – Doutorando em Educação, mestre em Educação, especialista em Ensino de História e graduado em História pela UFRJ. Professor de História na rede estadual do Rio de Janeiro.

Thiago Nunes Soares – Doutorando em História pela UNIRIO, mestre em História pela UFPE e licenciado em História pela UFRPE. Atualmente é professor substituto do Centro de Educação da UFPE, professor de Ensino de História da Universidade Estadual Vale do Acaraú, núcleo de Pernambuco e docente do curso de História EAD da UFRPE.

TransVersos – Chamada para artigos sobre História Pública

Extra! Extra! Revista TransVersos prepara dossiê “História Pública: escritas contemporâneas de História”

Reproduzo abaixo o texto para a chamada para artigos:

Vivemos em uma época de crescente interesse pela história. Cada vez mais, o conhecimento histórico é chamado à produção de significados sobre a contemporaneidade, seus problemas, suas questões, impondo ao profissional de história a afirmação de seu caráter público. Para além da pesquisa historiográfica, a história se faz viva em espaços/configurações múltiplos, nem sempre aceitos ou discutidos no ambiente acadêmico: salas de aula – produzindo um tipo de conhecimento específico e dialogando com a cultura escolar; museus – com suas diferentes cores e formas de pensar a exposição do conhecimento histórico na atualidade -; produção midiática – muito além dos telejornais e suas notícias -; novelas históricas; filmes e documentários; comemorações – e suas rememorações -; encenações históricas realizadas por diferentes sujeitos sociais (re-enactments and living history); ambientes digitais – sites, blogs, podcasts e games, por exemplo; nos movimentos sociais e no desenvolvimento de políticas públicas, dentre outras formas.

O diálogo da historiografia com estas e outras searas produtoras e divulgadoras de conhecimento histórico fornece, às comunidades e aos sujeitos interessados no fortalecimento de laços identitários, discussão e reflexão acerca da subalternidade ou do empoderamento de determinados grupos/interesses, subsídios básicos para ações políticas, sociais, culturais e, por que não, acadêmicas, que auxiliam a tessitura do exercício da cidadania. Por esse motivo, a Revista TransVersos propõe a organização de um dossiê reunindo trabalhos de pesquisa e práticas de profissionais de história e historiadores não profissionais (oriundos de outras áreas de conhecimento ou de diferentes espaços da organização social) que busquem construir/refletir os temas e problemas envolvidos na noção de História Pública, entendida como um conhecimento pluridisciplinar, atento às diferenças e desigualdades que tencionam os processos sociais contemporâneos.

Os artigos devem ser enviados para a plataforma da TransVersos – http://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/transversos/about/submissions – até o dia 31 de maio.

Espalhem!

Historia 2.0: chamada para trabalhos “Dossier Historia Pública”

historia 2.0

A história pública leva a história científica à praça pública, de fato, discute problemas históricos semelhantes, se não idênticos aos da história “ordinária”, porém, se diferencia dessa última em sua relação com os consumidores de história. Enquanto a história tradicionalmente tem se relacionado com leitores cada vez mais especializados e com estudantes de diversos níveis de formação; a história pública compreende aquelas ações onde a história se relaciona com um público amplo através de museus, exibições reais ou virtuais, divulgação patrimonial, reconstrução histórica (reenactment), a história oral, a história local, e com outros aspectos que não necessariamente abrangem a textualidade histórica como a preservação de arquivos, a assessoria a instituições governamentais ou privadas, e mesmo o ativismo social.

A noção de história pública é tão ampla que quase qualquer atividade que o historiador desenvolva fora do campo do ensino e da pesquisa universitária pode ser considerada como história pública. Este sentido prático e de relação com a comunidade chamou atenção dos historiadores e tem contribuído para a resolução de problemas sociais mediante o uso de testemunhos para processos de memória histórica, pós-conflito, recuperação de identidade das comunidades e do patrimônio material e imaterial das regiões. Ademais, levou a consideração de novos projetos de histórica aplicada em âmbitos públicos e privados, como também empreendimentos de historiadores, que criaram empresas lucrativas onde a história se afasta totalmente do ensino para atuar no setor de serviços, como na contribuição para a organização de arquivos empresariais (memória empresarial/institucional), ou o fornecimento de “produtos” para a definição e litígios legais, como nos casos de definição dos territórios naturais de certas comunidades. Também se incluem no campo da história pública a assessoria em restauração e conservação patrimonial.

A presente convocação está focada na recepção de artigos em espanhol e português relacionados ao desenvolvimento de projetos de história pública na Iberoamérica, em especial, aquelas experiências relacionadas com a recuperação e divulgação patrimonial, a história oral e local, bem como a difusão digital da história pública.

Chamada para artigos aberta em: 10 de maio de 2014; encerramento: 21 de julho de 2014.

Normas de publicação e envio: http://historia2.0.historiaabierta.org/index.php/revista/about/submissions

Esta chamada para artigos também está disponível em inglês, espanhol e italiano.

ISSN 2027-9035

Historia 2.0 está indexada em:

Directory of Open Access Journals

DOAJ aumenta la visibilidad y la facilidad de uso de las revistas científicas y académicas de acceso abierto, pretende ser global y abarcar todas las revistas que utilizan un sistema de control de calidad para garantizar el contenido.

e-Revistas

Portal donde se muestran las revistas electrónicas españolas y latinoamericanas de acceso abierto (Open Access). Fue creado en España.

Latindex

Latindex es producto de la cooperación de una red de instituciones latinoamericanas que funcionan de manera coordinada para reunir y diseminar información bibliográfica sobre las publicaciones científicas seriadas producidas en la región.

Dialnet

Hemeroteca Digital. Universidad de la Rioja.

*La revista Historia 2.0 hace parte del depósito voluntario de obras digitales de la Biblioteca Nacional de Colombia.

 

Chamada para Cadernos do Tempo Presente (GET/UFS) – “Qualis B2”

[REPASSANDO: CHAMADA PARA ARTIGOS E RESENHAS DO CADERNOS DO TEMPO PRESENTE]

Imagem

O Grupo de Estudos do Tempo Presente – GET, ligado ao Departamento de História da Universidade Federal de Sergipe, responsável pela revista eletrônica trimestral dos Cadernos do Tempo Presente (QUALIS B2), informa a todos os interessados em apresentar  artigos e resenhas  para publicação que continua recebendo artigos e resenhas em fluxo contínuo. Seguindo a própria composição do GET, serão bem-vindas produções de historiadores, geógrafos, cientistas sociais, filósofos, jornalistas, economistas, psicólogos, estudiosos das relações internacionais, dos meios de comunicação e demais áreas das ciências humanas.

 

Normas para Publicação nos Cadernos do Tempo Presente

  As normas a serem obedecidas consideram:

Artigos: São textos de fôlego, resultado de pesquisa bibliográfica ou arquivística. Necessariamente atenderão às normas e formas de referência de costume no ambiente acadêmico, cuja argumentação e defesa de hipóteses, problemas ou objetos serão cuidadosamente realizados. É fundamental, neste caso, o envio de abstract em inglês unicamente.

Resenhas: São trabalhos concisos, de recensão de textos, filmes, livros, sítios eletrônicos ou outras fontes/obras, com normas e formas de referência de costume no ambiente acadêmico, com identificação objetiva dos objetos recenseados. Serão aceitas apenas as resenhas de obras dos últimos 4 (quatro) anos. Solicitam-se materiais com no mínimo 2 laudas  e no máximo 4 laudas

 

Atenção: Além de obedecerem as normas de referência da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).Os trabalhos devem estar adequados ao formato dos Cadernos do Tempo Presente, satisfazendo os seguintes requisitos:

 

1.Tipo de letra: Times New Roman

2.Tamanho da letra: 12

3.Espaçamento entre linhas: 1,0.

4.Tamanho da letra para citações destacadas: 10.

5.Não devem utilizar o formato autor-data, mas as referências devem vir em forma de notas ao final do texto, antes apenas da bibliografia.

6.Título do texto em negrito. Frase em letra minúscula.

7.Abaixo do título deve vir apenas o(s) nome(s) do(s) autor(es) alinhado(s) à direita.

8.Resumo: espaçamento entre linhas: 1,0.

  • Até 1.000 caracteres com espaço. De 3 a 5 palavras-chaves.
  • Os artigos devem conter um resumo em português e um resumo em inglês obrigatoriamente. Não serão aceitos outro idioma exceto estes.
  • O abstract deve vir acompanhado do título do trabalho em inglês, negrito, justificado, com frase em letra minúscula.

9.Os artigos não devem conter imagens. Serão aceitos somente tabelas ou gráficos para os artigos nos quais estas sejam indispensáveis ao entendimento dos mesmos.

10.Anexado à resenha, deve ser enviado um segundo arquivo contendo a imagem do documento resenhado.

11.Notas: letra Times New Roman, tamanho 10.

  • Espaçamento entre linhas e entre notas 1,0.
  • Devem vir obrigatoriamente em algarismo romano (Ex.: I, II, III…), letra maiúscula (ex: XXI), formato sobrescrito. Não serão aceitas as notas em romano que vierem em letra minúscula (ex: xvii). 
  • Devem vir ao final do artigo, antes apenas da bibliografia. Não serão aceitas notas de rodapé.
  • Não deve haver uma linha separando o tópico “Notas” do texto.
  • A(s) primeira(s) nota(s) obrigatoriamente deve(m) conter os dados do(s) autor(es), com até 360 caracteres com espaço. Se o texto for proveniente de financiamento de pesquisa, ou adaptado de uma palestra, o autor deve explicar isso na mesma nota que constará seus dados pessoais.

Ex: IMestranda em História pela UFRJ. Este texto foi produzido com financiamento da FAPITEC/SE. 

Serão recusados os textos que descumprirem estas normas. Os trabalhos devem ser enviados pelo endereço eletrônico:  caderno@getempo.org e estarão sujeitos a parecer técnico-científico. Conforme a agenda dos Cadernos do Tempo Presente a resposta para a candidatura será enviada em até 120 (cento e vinte) dias. 

Atenciosamente,

Prof. Dr. Dilton Cândido Santos Maynard (Editor Chefe)

Prof.ª Karla Karine J. Silva (Editora)

Prof.ª Monica C. Santana (Editora)

Prof.ª Débora Souza Cruz (Editora)

Jornalista  Carole Ferreira da Cruz (Editora)

Luyse Moraes Moura (Editora Jr.)

Raquel Anne Lima de Assis (Secretária)

Diego Leonardo Santana Silva (Diagramador Jr.)

Marlíbia Raquel de Oliveira (Diagramadora Jr.)