Digital

Da aporia de “tudo lembrar”

Não bastasse a confusão que se faz entre web e arquivo, alguns apps decidem nos ajudar a salvar nossa história pra sempre… Pra pensar.

20140316-171740.jpg

😏

Advertisements

Clicar, em vez de viver, tornou-se norma

Clicar, em vez de viver, tornou-se norma

Artigo por Marsílea Gombata sobre o curioso projeto do fotógrafo Fabio Seixo: Photoland.

Segundo o próprio fotógrafo, em uma postagem de amostra do trabalho no Vimeo, Photoland é:

“um ensaio fotográfico já em andamento desde 2008, é o resultado de um trabalho que venho realizando em várias cidades (Rio, Londres, Paris, Nova York, Cidade do México, Roma, Veneza, Cuzco). Basicamente, são fotografias que capturam pessoas na aparente banalidade do ato de fotografar. A popularização das câmeras digitais torna a Fotografia hoje, possivelmente, o maior hobby do planeta, atingindo todas as classes, idades e culturas. Em todos os lugares, ocasiões e acontecimentos, estamos fotografando ou sendo fotografados.”

O projeto é uma provocação à reflexão da experiência que as pessoas digitalmente equipadas têm hoje diante de monumentos, obras de arte e pontos turísticos conhecidos. Muitos parecem estar vivendo mais o afã de fotografar para salvar e compartilhar, do que a real experiência sensorial e estética do momento em que lá estão presentes. Parece que caminhamos rumo à aporia do salvamento/arquivo completo. De fato, quando vejo nestes lugares as pessoas mais preocupadas com suas fotos do que com a paisagem real, me pergunto a que tipo experiência de estão se propondo, que personas constroem, para quem performatizam este discurso imagético (?).

Outro artigo relacionado: O olhar como performance, do Icônica, por Ronaldo Entler.

Digital History: approcci, metodi e strumenti di lavoro

Como eu gostaria de estar em Bolonha no próximo 22 de fevereiro. A revista Diacronie promove, com apoio da Université Paris Diderot, da Università di Bologna e da  Université Franco-Italienne mais um evento para refletir a História na era do WWW.

Imagem

Fica a recomendação do n.10 da revista, especialmente sobre o tema da Digital History: Digital history. La storia nell’era dell’accesso