Ensino de História

Livro novo na área, artigo novo sobre “historiografia escolar digital”

Primeiramente, Fora Temer!

Com que alegria recebemos a notícia de que está pronto o livro História, Sociedade, Pensamento Educacional: experiências e perspectivas (2016), proposta encabeçada pelo Grupo de Estudos do Tempo Presente – GET e do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre  História do Ensino Superior – GREPHES -, ambos ligados ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Sergipe. 

capa-livro

Neste livro, minha amiga e grande parceira de criação, Marcella Albaine, e eu tivemos o prazer de colaborar com o artigo “Historiografia escolar digital: dúvidas, possibilidades e experimentação” (Capítulo 12, pp. 336-366), no qual buscamos tornar explícito para o leitor algumas questões implícitas em nossas elocubrações, já há algum tempo em que colaboramos no planejamento de atividades de extensão, na escrita de textos a quatro mãos e outros trabalhos que reúnem nosso interesse em torno do estudo do digital e do ensino de história. No prefácio, os organizadores introduzem assim nossa contribuição à obra:

Da TV para a internet e os novos meios e comunicação, Anita Lucchesi, que colabora a partir das suas investigações na Universidade de Luxemburgo, e Marcella Albaine, refletindo a partir da Universidade Federal do Rio de Janeiro, teceram considerações sobre a chamada historiografia escolar digital. As suas reflexões, nascidas nestes diálogos transoceânicos, nos colocam a pensar sobre: quais os caminhos a serem trilhados pelos historiadores nos tempos digitais? Quais as limitações enfrentadas pelos professores de História em meio aos suportes digitais? Como a narrativa histórica será afetada pela emergência da internet? Estas e outras preocupações são levantadas no texto que, ao final, nos relembra o caráter essencialmente humano da História e da Educação.

Prefácio de História, Sociedade, Pensamento Educacional: experiências e perspectivas, Org.  Dilton Cândido Santos Maynard & Josefa Eliana Souza. Rio de Janeiro: Autografia, 2016.

Mais uma vez, foi uma satisfação escrever com essa amiga, aprender e ressignificar muitas coisas juntas. Espero que esse humilde artigo consiga levar aos colegas leitores a proposta de pensar uma “historiografia escolar digital” que favoreça o uso criativo das ferramentas digitais, como boas aliadas para uma educação emancipadora, mas sem também enaltecer demais a máquina – carne, osso, crítica e afeto permanecem essenciais. Em tempos de duros golpes na nossa chumbada democracia e em todas as esferas da educação pública no Brasil, escrever esse artigo e desejar que ele possa estimular o debate e encorajar ainda mais a busca por um modelo formação cidadã, pode soar meio utópico, mas a publicação de um livro como esse é a prova cabal de que não se trata apenas de um sonho, mas de luta e construção coletiva de um ideal de educação universal.

Meu muito obrigada aos colegas que toparam essa missão, aos organizadores e à incansável parceria de Marcella. Sigamos em frente! 🙂

Acesse a versão ePub aqui.

Chamada – Dossiê “Ensino de História: diferentes enfoques e perspectivas”

img-20170201-wa0012

A EBR – Educação Básica Revista convida para submissão de textos para o próximo número, que contará com o Dossiê – Ensino de História: diferentes enfoques e perspectivas. 

Pensando o Ensino de História não apenas enquanto objeto, mas também enquanto campo de pesquisa que articula conhecimentos da Teoria da História e da Educação, e que tem crescido muito nos últimos anos, nosso objetivo neste dossiê é abarcar trabalhos que pensem os processos de didatização da História, seja na esfera escolar, seja no âmbito acadêmico ou em outros espaços de circulação do conhecimento histórico (museus, web, etc.). Acreditamos que discutir a dimensão “ensinável” deste conhecimento e seus aspectos políticos e axiológicos, de maneira crítica e problematizadora, é extremamente relevante em tempos nos quais se debate nacionalmente o que é considerado válido a ser trabalhado na educação básica e superior. Assim, chamamos para o debate pesquisadores e/ou professores da educação básica para trazer relatos de suas práticas, análises que advenham de seus ofícios cotidianos, dialogando suas experiências com leituras e reflexões teóricas do campo, entendendo a sala de aula como um espaço de pesquisa. Portanto, por meio deste Dossiê chamaremos esses profissionais (que tanto têm a dizer) para uma conversa não hierarquizada, ou seja, para um diálogo efetivo que valorize e compartilhe os saberes próprio de quem ensina e de quem pesquisa.

PRAZO PARA SUBMISSÃO: 02/04/2007

Além dos textos para o Dossíê, continuamos a receber textos em fluxo contínuo para as demais sessões.

Organizadores do Dossiê:

Organizadores:

Marcella Albaine Farias da Costa – Doutoranda em História pela UNIRIO, mestra em Educação, especialista em Tecnologias da Informação aplicadas à Educação e graduada em História pela UFRJ. Foi professora substituta de Didática Especial de História e Prática de Ensino de História da UFRJ e atualmente é professora da educação básica.

Marcus Leonardo Bomfim Martins – Doutorando em Educação, mestre em Educação, especialista em Ensino de História e graduado em História pela UFRJ. Professor de História na rede estadual do Rio de Janeiro.

Thiago Nunes Soares – Doutorando em História pela UNIRIO, mestre em História pela UFPE e licenciado em História pela UFRPE. Atualmente é professor substituto do Centro de Educação da UFPE, professor de Ensino de História da Universidade Estadual Vale do Acaraú, núcleo de Pernambuco e docente do curso de História EAD da UFRPE.