evento

#CFP: IFPH-FIPH 3º Conferência Anual, Bogotá, Colômbia, 7, 8 E 9 de julho, 2016

Chamada de trabalhos*

Prazo final para envio de propostas: 19 de outubro de 2015

IFPH: http://ifph.hypotheses.org/news

Foto: IFPH

(foto reproduzida de IFPH)

A história é uma questão pública. O conhecimento e prática histórica não se limitam aos ambientes acadêmicos. A história também é produzida e compartilhada de diversas maneiras por historiadores profissionais e não-profissionais. Museus e outros lugares de exposição, filmes e documentários, novelas históricas, aniversários e comemorações, re-enactments e living history, políticas públicas, comissões de justiça transicional, televisão, rádio, sites e mídia social, são alguns dos caminhos em que a história se faz viva. Todas essas configurações estimulam a interação e a colaboração com grandes audiências, fazendo dos historiadores historiadores públicos.

A terceira conferência anual internacional da Federação Internacional para a História Pública (IFPH) será realizada na Universidade de Los Andes, em Bogotá, Colômbia, de 7 a 9 de de 2016. Seu objetivo é abrir um espaço para dar visibilidade e compartilhar as práticas e habilidades inovadoras que historiadores públicos em todo o mundo usam criativamente na sua prática diária. A história é cada vez mais produzida através de projetos colaborativos que são usados ​​para diferentes propósitos políticos, econômicos e culturais, definindo, muitas vezes, identidades coletivas ao longo do caminho. Além disso, a história pública explora, desafia e discute o papel dos historiadores, e recentemente atraiu atenção global. Neste sentido, a Conferência também abre espaço para discutir o escopo, os objectivos e desafios, entre outras questões críticas levantadas pela história pública e pela história como um campo geral.

Criada em 2011, a IFPH visa a construção de uma comunidade internacional e multi-lingual de praticantes. O papel da IFPH é promover o desenvolvimento da história pública em todo o mundo, criando e coordenando redes, promovendo ensino, pesquisa e todo o tipo de atividade engajando o público com o passado, a história e memórias individuais e coletivas.

A conferência internacional da IFPH em Bogotá vai reunir profissionais, especialistas e ativistas de todo o mundo para discutir e compartilhar suas experiências nos diversos desafios e recompensas envolvidos no engajamento com o público para difundir o conhecimento histórico. A conferência não será limitada a um tema específico, mas, pelo contrário, vai abranger as mais diversas atividades de história pública. Assim, as propostas poderão apresentar exemplos de engajamento dos historiadores com as comunidades através de diferentes meios de comunicação, construindo diferentes formas de narrativas e analisando diferentes usos públicos do passado.

SONY DSC

Museo del Oro, Bogotá, 2011 (foto reproduzida de IFPH)

Possíveis práticas e temas podem incluir:

  • Museus e Exposições
  • História Oral e Projetos Comunitários
  • História Pública Digital
  • Mídia Digital, Internet e Conhecimento Participativo
  • Mapeamento e representações visuais do passado
  • Vídeos e documentários
  • Ficção histórica
  • Re-enactments e “Living History”
  • Preservação Histórica e Patrimônio Cultural da Comunidade
  • Arqueologia Pública
  • Mídia Social, Mobile App e conteúdos gerados pelo usuário
  • Políticas Públicas e História Aplicada
  • Ensino de História Pública
  • Quem são os historiadores públicos na América Latina?
  • Como promover a história pública como disciplina na América Latina?
  • Passados difíceis que interagem com o presente: Historiadores e Justiça Social, Direitos Humanos, Comissões de Verdade e Justiça de Transição?

Apresentações em inglês ou espanhol serão aceitas durante a conferência, mas todas as propostas devem ser escritas em Inglês. Inglês é fortemente sugerido como o idioma principal para apresentações.

Tanto trabalhos individuais, como propostas de sessão (90 minutos cada) são bem vindas. Propostas de sessões deve incluir um resumo geral para a sessão, bem como os resumos de todos os trabalhos individuais.
Prazo final para o envio de todas as propostas é 19 de outubro de 2015.

Também haverá sessões de pôsteres nes conferência em Bogotá, mas chamada e prazo diferentes.

Por favor, envie a sua proposta de não mais de 150 palavras, bem como qualquer outro questionamento, para o seguinte e-mail: ifph2016@uniandes.edu.co

Comissão organizadora:
Gennaro Carotenuto (Università di Macerata, Itália)
Thomas Cauvin (Universidade de Lafayette, EUA)
David Dean (Universidade Carleton, Canadá)
Anita Lucchesi (Université du Luxembourg, Luxemburgo)
Serge Noiret (Instituto Universitário Europeu, Florença, Itália)
Anaclet Pons (Universitat de València, Espanha)
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia)
Philip Scarpino (Indiana University-Purdue University Indianapolis – IUPUI, EUA)
Isabelle Veyrat-Masson (CNRS, França)

Comissão local:
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia) <cquinter [at] uniandes.edu.co>
Angela Maria Aristizabal Borrero (Universidad de los Andes, Colômbia) <am.aristizabal10 [at] uniandes.edu.co>

*Tradução livre da chamada original, disponível aqui, por Anita Lucchesi.

Advertisements

II Seminário Debates do Tempo Presente: Educação, Guerras, Extremismos

Debates2014

No próximo mês (10 a 12 de dezembro), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) vai receber o II Seminário Debates do Tempo Presente, promovido pelo Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET-UFS) e pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da UFPE (PPGE-UFPE). Este ano, o evento abordará a tríade Educação, Guerras, Extremismos.

Com variada oferta de Simpósios Temáticos, o evento promete uma atmosfera de convivência e debate positiva para trocas sobre a História do Tempo Presente (claro!), mas também para a História Pública, fazendo pontos com cinema, literatura e artes, ensino de história, relações internacionais, mídias e, para a alegria desta que vos escreve, história digital (ver ST 08). 😉

Pelo novo cronograma, o prazo para inscrições é 16 de novembro. Mais informações no site do evento.

Confira abaixo os Simpósios Temáticos

ST 01 – “História, Literatura e Arte”
Coordenadores: Profa. Dra Marizete Lucini (PPGED/GET/UFS)
Prof. Dr.Fábio Alves dos Santos (DED/UFS)

O simpósio temático História, Literatura e Arte propõe-se a acolher trabalhos que discutam aspectos da narrativa histórica e da narrativa de ficção como gêneros que comunicam experiências temporais. Nesse sentido, reflexões sobre romance, cordel, poesia, cinema, música, biografia e contos são aqui compreendidos para além de sua característica documental. Mais que documento, a literatura, o cinema, a poesia, o cordel, o conto, o romance e a música possibilitam ao leitor/ouvinte vivenciar diferentes experiências. Experiências que podem ser reinterpretadas, permitindo aos leitores/ouvintes estabelecerem relações de pertencimento e de identificação com os textos acessados, bem como permitem aos sujeitos do presente, habitar o passado e transformá-lo em memória. Memória que também o constitui como sujeito histórico no presente. Sujeito que se compõe a partir dos múltiplos agenciamentos de subjetividades experienciados nas diversas interações sociais que constituem sua singularidade.


ST 02 – “Produção e usos escolares da história do tempo presente”
Coordenadores: Prof.Dr. Itamar Freitas (PPGED/Rede Tempo Brasil/GETUFS)
Prof.Dr. Lucas Victor Silva (Rede Tempo Brasil/UFRPE)
Prof.Dr. Francisco Egberto Melo (URCA)

Este simpósio temático acolhe resultados de pesquisas que relacionem as expressões “tempo presente” e “usos da história”, sobretudo em sua dimensão escolar. Aqui, reiteramos a nossa preocupação com as diferentes noções de presente, as formas de organização desse presente nos currículos, nos livros didáticos e na historiografia de síntese voltada para o público adulto que fundamenta, em grande medida, a historiografia consumida pelos alunos da escolarização básica no Brasil e no exterior.


ST 03 – “ História, Cinema & Tempo Presente”
Coordenadores:
Prof.Dr. José Maria Neto (UPE)
Profa.Dra. Andreza S.C.Maynard (DCR-FAPITEC/GET/Pós-Doutoranda PPGH/UFRPE)

Discutir as aplicações do cinema na formação da cultura histórica, buscando, assim, estabelecer diálogos entre a disciplina e a arte cinematográfica, e estabelecendo trilhas e percursos para a utilização do cinema como elemento para a compreensão da recepção das eras históricas e também para o ensino desta disciplina.


ST 04 – “Educação Colonial, Catolicismo e Salazarismo”
Coordenadores: Prof.Dra. Giselda Brito Silva (Rede Tempo Brasil/ PPGH/UFRPE)
Prof.Ms.Carlos André Silva de Moura (UNICAMP)

Durante o período do salazarismo as produções historiográficas se esforçaram para legitimar as relações do regime com as colônias africanas, como justificativa de “civilizar o indígena”. Além da alfabetização, a ação defendia a constituição linguística em comum como condição para o desenvolvimento das colônias. A formação doutrinária da juventude também foi fundamental para a organização das instituições autoritárias, como a Mocidade Portuguesa e Legião Portuguesa, com a meta de educar “sob a medida das necessidades do regime”. No particular da educação da Juventude Salazarista aos interesses do império colonial, o Estado Novo contou particularmente com intelectuais e católicos militantes que circulavam entre Brasil e Portugal. Nossa proposta de simpósio temático é abrir um espaço de debate para os estudos das relações nos dois países, política e catolicismo e suas práticas no campo educativo.


ST 05 – “História e Relações Internacionais: debates e problemas”
Coordenação:
Prof. Dr. Daniel Chaves (Unifap/Rede Tempo Brasil)
Prof. Dr. Lucas Pinheiro (NURI/UFS)

Diante do consagrado encontro entre as áreas de conhecimento da História e das Relações Internacionais, o objetivo deste Simpósio Temático é o de promover encontros entre pesquisadores sêniores e jovens, suscitar perspectivas inovadoras e recensear debates clássicos entre tais áreas e campos de discussão. Tanto ao historiador quanto ao internacionalista, bem como profissionais de áreas contíguas – sociólogos, cientistas políticos, economistas, entre outros – tal encontro buscará promover um duplo movimento: o da contextualização de discussões globais, por um lado, e o da internacionalização das discussões  regionais e brasileiras, por outro, afinando tendências emergentes e estabelecidas. Não menos importante, temáticas contemporâneas em corte histórico como Defesa, Segurança, Cooperação e Mundialização encontrarão espaço para articulação e destaque para a comunidade acadêmica presente.


ST 06 – Ensino de História do Tempo Presente
Coordenação:
Prof. Dr. Francisco Carlos Teixeira da Silva (UFRJ/UCAM/Rede Tempo Brasil)
Prof. Dr. Karl Schurster (PPGE- UFPE/ Rede Tempo Brasil)

A grande questão sobre o papel da escola no ensino das ditaduras e regimes de ódio se coloca perante os insucessos ocorridos em países – como Alemanha, Itália, Áustria e Espanha – onde, malgrado a excelência das condições escolares, o ensino, os currículos e os recursos pedagógicos não foram suficientes para formar uma nova juventude crítica e desvinculada de brutais atos de racismo e de violência, simbólica e física, contra o outro. Nas ruas, nos estádios de futebol, nos bares e mesmo em ambientes de trabalho, multiplicam-se atos de racismo e de exclusão. Daí a relevância, crucial, dos estudos e de debates sobre o papel da escola e do ensino da história contemporânea, no tocante às ditaduras modernas e seu caráter de ódio ao outro e a questão central que se coloca: estamos nós mesmos, no Brasil, construindo recursos pedagógicos necessários para a construção de uma convivência, presente e futura, fraterna e despida dos tremendo efeitos nefastos do racismo e da negação do outro? Conseguiremos superar, debater criticamente, o que já foi denominado de fascínio, die Schöneschein, de uma cultura da violência e da rejeição ao outro nas nossas escolas? Claro está, que não apenas os currículos e instrumentos pedagógicos disponíveis para os professores, resolverão, de per si, tais questões. O próprio estado geral da educação básica no Brasil, com seu ônus nas séries iniciais de alfabetização, é um elemento de incapacitação crítica, um óbice ao processo educacional como ato emancipatório, como queria Anísio Teixeira. Assim, esse simpósio busca propostas de pesquisam que se debrucem sobre o ensino de história do tempo presente, suas variadas formas e possibilidades, procurando entender limites e desafios para essa área de conhecimento.


ST 07 – Educabilidades políticas no tempo presente
Coordenadora: Profa.Dra. Adriana Maria Paulo da Silva (PPGE/UFPE)
Prof. Dr. André Ferreira (PPGE/UFPE)

Interessa-nos discutir as pesquisas a respeito das maneiras pelas quais os indivíduos e grupos têm operacionalizado intenções e propostas educativas, em ambientes escolares e não-escolares, tendo em vista a promoção de ações políticas (potencialmente transformadoras de alguma situação individual ou coletiva existente e/ou das ações sociais de grupos e/ou indivíduos) ou o fomento de estratégias de atuação política.


ST 08 – História Digital: conceitos, fontes, métodos e experiências
Coordenadores:   Prof.Dr. Dilton C.S. Maynard (PPGED-UFS/Rede Tempo Brasil)
Profa.Ms. Anita Lucchesi (Rede Tempo Brasil)

Este simpósio pretende congregar trabalhos que se dediquem a refletir sobre o estudo e a representação do passado a partir de novas tecnologias da comunicação, assim como a produção e a preservação de fontes digitais, considerando as potencialidades dos recursos digitais para a pesquisa e para o ensino da História. Esperamos colaborar para o debate sobre os desdobramentos da emergência dos registros digitais no ofício do historiador e sobre as transformações nas experiências de leitura, acompanhamento e argumentação em torno de questões históricas.


ST 09História, Mídias e Tempo Presente
Coordenadora: Sônia Menezes (URCA/Rede Tempo Brasil)

Este simpósio tem como objetivo refletir diferentes formas de escrita do passado na contemporaneidade: artes plásticas, séries e livros jornalísticos, séries de televisão, internet, novelas, materiais didáticos, documentários, jogos, fotografia, etc. Produtos que quase sempre se situam fora do campo científico da história e que se materializam em narrativas históricas de grande apelo social. Nossa intenção é abrir um espaço para trabalhos que investiguem tais produções e suas narrativas sobre o passado; pensar como estas interferem na compreensão histórica do nosso tempo.

ORIENTAÇÕES GERAIS: 

ENVIO DE RESUMOS PARA OS SIMPÓSIOS TEMÁTICOS via debates@getempo.org

As inscrições serão efetuadas mediante envio do resumo até 07 de novembro de 2014 para o e-mail debates@getempo.org. Confira as instruções abaixo:

  1. ATENÇÃO: O arquivo com o resumo deve ser enviado em formato doc ou docx (Word for Windows) e identificado da seguinte maneira: Nome e sobrenome do AUTOR e do CO-AUTOR (se houver)_CÓDIGO DO SIMPÓSIO. Ex: JULIA ASSAD e EDUARDO DENNIS_ST01

O arquivo deverá conter:

  1. Título do Trabalho em caixa alta, destacado em negrito, centralizado.
  2. Nome do autor e co-autor (se houver), destacado em negrito.
  3. Informações sobre o autor e co-autor (se houver): curso, instituição de 
fomento, e- mail.
  4. Será aceito apenas um trabalho em co-autoria.
  5. Nome e titulação do orientador e departamento ao qual pertencem, destacado em negrito.
  6. Simpósio selecionado (a indicação de um segundo simpósio temático, 
em caso de não aprovação no primeiro, é opcional).
  7. O resumo virá abaixo deste cabeçalho e deve possuir de 600 a 1000 
caracteres com espaçamento, contando ainda com três palavras-chave.

Os trabalhos serão avaliados pelo Comitê Científico do Seminário com base nos seguintes critérios:  a) Relevância e pertinência do trabalho;  b) Consistência na argumentação;  c) Respeito às normas de formatação estabelecidas pela Organização do evento Os trabalhos que não atenderem aos critérios acima serão AUTOMATICAMENTE EXCLUÍDOS.

Os trabalhos aprovados serão divulgados em 16 de novembro de 2014 através do site do evento: http://debates.getempo.org

NORMAS PARA PUBLICAÇÃO DOS TRABALHOS COMPLETOS:

Os trabalhos completos, juntamente com os comprovantes de depósito digitalizados, deverão ser enviados entre 17 e 26 de novembro para o e-mail debates@getempo.org, obedecendo às seguintes normas:
Cabeçalho: Título do Trabalho em caixa alta, destacado em negrito, centralizado; nome do autor e co-autor (se houver), destacado em negrito; informações sobre o autor e co-autor (se houver): curso, instituição de fomento e e-mail; nome e titulação do orientador e departamento ao qual pertence, destacado em negrito. Simpósio temático selecionado. O trabalho deve possuir de 8 a 12 páginas, fonte Times New Roman, letra tamanho 12, espaçamento 1,5, formatação justificada.
O sistema de citações será o AUTOR-DATA. As citações deverão ser indicadas no texto, informando o sobrenome do(s) autor(es) mencionados, na sequência (AUTOR, ano, página). Notas de rodapé poderão ser utilizadas apenas em caráter explicativo.

PAGAMENTO: valor único R$ 25,00

CONTA PARA DEPÓSITO IDENTIFICADO: Banco do Brasil Agência: 0673-4 Conta corrente: 44.103-1 ALANA DE MORAES LEITE

Inscrições Abertas: II Simpósio Internacional de História Pública

historiapublica2014

PERSPECTIVAS DA HISTÓRIA PÚBLICA NO BRASIL

2º Simpósio Internacional de História Pública

Universidade Federal Fluminense

Niterói – 10 a 12 de setembro de 2014

 

Inscrições abertas!

 

Þ Comunicações orais em Grupos de Trabalho (até 13 de julho)

Þ Comunicações orais em Painéis de Experiências em História Pública (até 13 de julho)

Þ Lançamentos de livros, DVDs e outros trabalhos

Þ Participação em oficinas

Þ Ouvintes

 

http://simposio2014.historiapublica.com.br

 

Rede Brasileira de História Pública

Laboratório de História Oral e Imagem

Universidade Federal Fluminense

 

Acompanhe também:  @rebrahip no Twitter e Rede Brasileira de História Pública no Facebook. 🙂

Debate online, ao vivo e totalmente gratuito sobre História Digital

UP DATING: 26.11.2013 às 23h10

O debate foi de altíssimo nível. Acabou de acabar! Parabéns a todos os envolvidos, participantes e debatedores. Com certeza marca um momento importante das discussões sobre História Digital no Brasil.

Segue o vídeo para quem não pode participar ao vivo:

Com muita alegria anuncio a iniciativa da rede Café História em organizar junto com a ANPUH-RJ o debate História Digital: ensino, pesquisa e divulgação.

O evento será na próxima terça-feira à noite, transmitido online pela página do Café! Espero que a esta hora muitas pessoas consigam acompanhar.

Participarão do debate: Bruno Leal, fundador do Café História e doutorando em história social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Lise Sedrez, professora do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e Keila Grinberg, professora do Departamento de História da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Flávio Edler, presidente da ANPUH-RJ e professor de história na Fiocruz, que fará a mediação do debate.

Perguntas poderão ser enviadas antes ou durante a transmissão por aqui.

Image

Lançamento da RBHP: História Pública: vários públicos, várias narrativas | 14 nov 2013

Convite para o evento que é também o lançamento oficial da Rede Brasileira de História Pública.

Próxima quinta-feira, dia 14/11,  das 14h às 19h |
Auditório do Museu Histórico Abílio Barreto (Belo Horizonte)

Quem não puder ir poderá acompanhar pelo site, haverá transmissão ao vivo.

Estarei lá com ótimas companhias. S’imbora!

ZConvite RBHP

PS: para curtidores, vai haver um evento paralelo rolando em BH bem interessante: 8º Festival Internacional de Quadrinhos (13-17 de Nobembro)

Call for proposals / Chamada para trabalhos – Federação Internacional de História Pública

Abaixo circulo a chamada para trabalhos da Federação Internacional de História Pública: “História Pública em um mundo digital: a revolução reconsiderada” 

Vamos?

Deadline: 31 jan. 2014

Amsterdam 2014

International Federation for Public History Conference

Public History in a Digital World: The Revolution Reconsidered

Amsterdam, Thursday 23 October 2014 – Sat 25 October 2014

FIRST CALL for PROPOSALS

Historical sources and narratives about the past infiltrate every corner of the web, from home-made digital media to online exhibitions, across social networks and in virtual museums. Digital tools have become essential for publics who preserve, present, discuss, and dispute history, and they will play a major role in the commemoration of the anniversary of WWI beginning in 2014. The possibilities of the digital world seem almost unlimited: never before have massive collections of a wide variety of historical materials been so accessible for  large audiences across national and cultural borders. What’s more, new genres such as blogs and  virtual discussion boards have expanded the public possibilities of history online – for co-creating historical narratives as well as for communicating about the past with various audiences.

Given all this, the digital turn should be especially significant for public historians, but have expectations been matched by activities? After two decades of digital revolution it is time to critically consider what digital media brings to Public History, and where Public History is headed in a digital world. This international conference, organized by the International Federation for Public History, will bring together experts, novices, and experimenters from all over the world to share insights, questions, and practices concerning the impact of the digital world on the theory and practice of Public History. Issues to consider include:

  • How revolutionary is the digital turn for the research and practice of Public History?
  • How are digital innovations changing Public History practices?
  • Are public historians critical enough towards the shortcomings of digital practices?
  • What “cool stuff” from the digital toolbox adds value to PH projects, teaching activities, etc?
  • Which digital strategies do not live up to the hype, and why?
  • Which audiences are public historians reaching and excluding with digital practices?
  • How are audiences involved and engaged through digital practices?
  • How are historical narratives changing under the influence of digital media and the internet?
  • How can digital Public History generate or inspire new ways of interacting with the public?
  • How does digital Public History relate to older forms and traditions of Public History?
  • What can we learn from a critical analysis of Digital Public History?

Possible ideas for sessions include:

  • Audiences and involvement: Who are public historians reaching, and excluding, with digital public history?
  • Authorship and authority: Who is representing history on the web?
  • Narratives and storytelling: Which pasts are(n’t) public historians telling on the web?
  • Integration: How do digital and analogue Public History relate?
  • Practices: How is the past presented in the digital realm?
  • Didactics: How do we teach digital Public History?
  • Analogue Public History: What is done best without the digital?
  • Communication: How can digital history 2.0 and Social Media foster the diffusion of Public history ?

We welcome submissions from all areas, including public historians working in museums, archives, education, heritage management, consulting and public service, as well as newcomers to the field of Public History. Apart from individual papers and proposals for panel sessions, we encourage workshop proposals as well as poster or media presentations. The emphasis should be on critical analysis, not show and tell – submissions that investigate both the limits of public history in a digital world, as well as its opportunities, are especially welcomed.

250 word proposals are due by: January 31 2014 to ifphamsterdam2014@gmail.com

Local Committee :

  • Dr. Paul Knevel, Assistant Professor of History & Coordinator, MA in Public History, University of Amsterdam
  • Dr. Manon Parry, Assistant Professor of Public History, University of Amsterdam
  • Prof. dr. Kees Ribbens, Senior Researcher, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies
  • Dr. Serge Noiret, President, International Federation for Public History

Program Committee:

  • Fien Danniau/Prof.Dr. Bruno de Wever,  Instituut voor Publieksgeschiedenis, University of Ghent, Belgium
  • Dr. Jean-Pierre Morin, International Federation for Public History, Canada
  • Dr. Manon Parry, University of Amsterdam, The Netherlands
  • Dr. Hinke Piersma, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies, The Netherlands
  • Prof.Dr. Constance B. Schulz, University of South Carolina, USA
    Dr. Christine Gundermann/ Dr. Irmgard Zündorf, Freie Universität Berlin, Germany

Digital History: approcci, metodi e strumenti di lavoro

Como eu gostaria de estar em Bolonha no próximo 22 de fevereiro. A revista Diacronie promove, com apoio da Université Paris Diderot, da Università di Bologna e da  Université Franco-Italienne mais um evento para refletir a História na era do WWW.

Imagem

Fica a recomendação do n.10 da revista, especialmente sobre o tema da Digital History: Digital history. La storia nell’era dell’accesso

2013 Annual Meeting of the National Council on Public History [Program]

Ottawa, aí vamos nós!

No próximo abril terei a honra de participar de um grupo de trabalho sobre História Digital e Novas Mídias no encontro anual de História Pública organizado pelo NCPH. Além das discussões neste grupo de 18 componentes debatendo sobre a relação entre as novas mídias, os métodos específicos da História Digital e a História Pública, apresentarei ainda um pôster sobre a recepção da História/Historiografia Digital no Brasil, ainda observada com olhares de soslaio por muitos colegas.

Meu GT se intitula “Teaching Digital History and New Media Working Group”. As principais questões que discutiremos concentram-se sobre os pontos abaixo:

(1) Quais são os objetivos dos professores em formar seus estudantes de História Pública em  História Digital? Como diferentes objetivos podem moldar a forma como a História Digital será abordada?

(2) O que deve ser ensinado? Existem conhecimentos específicos, habilidades tecnológicas, teoria ou perspectivas que devem ser considerados essenciais para a formação de um “historiador público” em História Digital?

(3) Que abordagens os professores têm encontrado para tornar mais efetivo o ensino de História Digital para seus alunos? Existem projetos específicos, atribuições, ou abordagens que têm sido particularmente eficazes para ajudar os alunos a ganharem competência ou experiência em métodos de História Digital?

A conferência, como um todo, promete! Vejam abaixo todo o programa. Tende a ser muito rica também a discussão entre os integrantes do Grupo de Trabalho que deve ter início antes mesmo da conferência, para que, desde já, sejam trocadas algumas ideias, formulados alguns problemas e ensaiadas algumas respostas para as perguntas acima. Achei interessantíssima a proposta de trabalho que já coloca todos os participantes do grupo em uma situação experimental das possibilidades de trabalho coletivo e colaborativo que se abre com as “facilidades internéticas”. Vamos ver como funciona.

Vai começar a VII Semana de História da UERJ

Estarei lá, hoje, 22.10.12, discutindo escrita da História é hipertexto.

18h-20h | Sala: 9037-F
Mesa 23 – Historiografia e teoria da história: novos paradigmas e formas de análise
Coordenação: Prof.ª Doutoranda Beatriz Piva Momesso – PPGH/UERJ
Anita Lucchesi – Mestrado – PPGHC/UFRJ
O texto digital para além do écran: questionamentos sobre a escrita da História na World Wide Web
Bruno Omar de Souza Mestrado (em andamento) PUC-Rio
Perguntar-se pelos sentidos da história: contingência, progresso e crítica da pós-história em Vilém Flusser.
Mara Rúbia SantAnna Doutorado (concluído) – UDESC
História da moda, bibliografia em análise
Pedro Parga Rodrigues Doutorado (em andamento) – UFF
A lei, a experiência de Thompson e a agência ativa da plebe
Pedro Paulo Lima Barbosa Doutorado (em andamento) – UNESP – Campus de Assis
História das Ideias: leitura e interpretação de textos históricos a partir das propostas epistemológicas de Quentin Skinner e Pierre Rosanvallon

Mais informações: http://www.semanahistoriauerj.net/

II Seminário Visões do Mundo Contemporâneo

O Grupo de Estudos do Tempo Presente convida a todos para o seminário As estações da História: Do Grande Inverno Russo à Primavera Árabe“.

Cronograma Inicial:

  • Envio de resumos: 24 de março a 20 de abril de 2012.
  • Divulgação dos resumos aprovados: 04 de maio de 2012.
  • Envio de textos completos: até 18 de maio de 2012.
  • Endereço para envio: evento@getempo.org

ImportanteOs resumos dos trabalhos e comunicações serão publicados nos Anais Eletrônicos do II Seminário Visões do Mundo Contemporâneo (ISBN 97885782218182).

Valor das inscrições: R$ 40,00 para apresentadores de trabalhos.

Sobre o evento

Promovido pelo Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET/UFS/CNPq), em parceria com Programa de Educação Tutorial de História (PET História), o Mestrado em História (NPGH) e o Departamento de História (DHI). O evento terá abrangência nacional, congregando pesquisadores de diferentes instituições e Programas de Pós-Graduação, a saber: Laboratório do Tempo Presente (Tempo, PPGHC/UFRJ), Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Centro de Estudios Sudamericanos do Instituto de Relaciones Internacionales da Universidad Nacional de La Plata, na Argentina. Além disto, o evento contará com o suporte de um Comitê Técnico-Científico composto por pesquisadores de reconhecido mérito acadêmico pertencentes a seguintes instituições: UFRJ, UFCG, UEM, UFRN, UFMA,UDESC e FIOCRUZ.

Iniciando em junho de 2011, o Seminário “Visões do Mundo Contemporâneo” teve como primeiro tema “a Segunda Guerra Mundial”. Na ocasião, reuniram-se em Sergipe pesquisadores de diversas IES: UFRJ, UDESC, UFAL, UFCG, UNESP, que refletiram sobre diferentes aspectos ligados ao período. Na ocasião, foi lançado o sitewww.memoriasegundaguerra.org, ambiente interativo dedicado a fornecer suporte didático e apoio a pesquisas sobre o maior conflito do século XX. O evento contou com 150 inscritos, tendo mais de 40 trabalhos científicos aprovados para suas sessões de comunicações científicas. Os trabalhos apresentados foram publicados em versão resumida e completa nos Anais Eletrônicos do evento, com ISBN 97885782218182, entregues já no credenciamento do Seminário.

Deste modo, a proposição da segunda edição do evento atende à expectativa de que o mesmo ocorra anualmente, sempre no primeiro semestre letivo. O Seminário deve se caracterizar por abordar temáticas que envolvam momentos marcantes da vida contemporânea, de forma a contribuir para o maior intercâmbio de experts no assunto e alunos de graduação e pós-graduação em História e áreas afins, preferencialmente aqueles da região Nordeste. Ao mesmo tempo, os temas do seminário levam em conta não apenas aspectos ligados a efemérides, mas principalmente a relevância do assunto para os estudos em História Contemporânea.

Maiores informações: http://visoes.getempo.org/

Contatos: evento@getempo.org ou pelo Facebook ou pelo Twitter.