patrimônio

#CFP: IFPH-FIPH 3º Conferência Anual, Bogotá, Colômbia, 7, 8 E 9 de julho, 2016

Chamada de trabalhos*

Prazo final para envio de propostas: 19 de outubro de 2015

IFPH: http://ifph.hypotheses.org/news

Foto: IFPH

(foto reproduzida de IFPH)

A história é uma questão pública. O conhecimento e prática histórica não se limitam aos ambientes acadêmicos. A história também é produzida e compartilhada de diversas maneiras por historiadores profissionais e não-profissionais. Museus e outros lugares de exposição, filmes e documentários, novelas históricas, aniversários e comemorações, re-enactments e living history, políticas públicas, comissões de justiça transicional, televisão, rádio, sites e mídia social, são alguns dos caminhos em que a história se faz viva. Todas essas configurações estimulam a interação e a colaboração com grandes audiências, fazendo dos historiadores historiadores públicos.

A terceira conferência anual internacional da Federação Internacional para a História Pública (IFPH) será realizada na Universidade de Los Andes, em Bogotá, Colômbia, de 7 a 9 de de 2016. Seu objetivo é abrir um espaço para dar visibilidade e compartilhar as práticas e habilidades inovadoras que historiadores públicos em todo o mundo usam criativamente na sua prática diária. A história é cada vez mais produzida através de projetos colaborativos que são usados ​​para diferentes propósitos políticos, econômicos e culturais, definindo, muitas vezes, identidades coletivas ao longo do caminho. Além disso, a história pública explora, desafia e discute o papel dos historiadores, e recentemente atraiu atenção global. Neste sentido, a Conferência também abre espaço para discutir o escopo, os objectivos e desafios, entre outras questões críticas levantadas pela história pública e pela história como um campo geral.

Criada em 2011, a IFPH visa a construção de uma comunidade internacional e multi-lingual de praticantes. O papel da IFPH é promover o desenvolvimento da história pública em todo o mundo, criando e coordenando redes, promovendo ensino, pesquisa e todo o tipo de atividade engajando o público com o passado, a história e memórias individuais e coletivas.

A conferência internacional da IFPH em Bogotá vai reunir profissionais, especialistas e ativistas de todo o mundo para discutir e compartilhar suas experiências nos diversos desafios e recompensas envolvidos no engajamento com o público para difundir o conhecimento histórico. A conferência não será limitada a um tema específico, mas, pelo contrário, vai abranger as mais diversas atividades de história pública. Assim, as propostas poderão apresentar exemplos de engajamento dos historiadores com as comunidades através de diferentes meios de comunicação, construindo diferentes formas de narrativas e analisando diferentes usos públicos do passado.

SONY DSC

Museo del Oro, Bogotá, 2011 (foto reproduzida de IFPH)

Possíveis práticas e temas podem incluir:

  • Museus e Exposições
  • História Oral e Projetos Comunitários
  • História Pública Digital
  • Mídia Digital, Internet e Conhecimento Participativo
  • Mapeamento e representações visuais do passado
  • Vídeos e documentários
  • Ficção histórica
  • Re-enactments e “Living History”
  • Preservação Histórica e Patrimônio Cultural da Comunidade
  • Arqueologia Pública
  • Mídia Social, Mobile App e conteúdos gerados pelo usuário
  • Políticas Públicas e História Aplicada
  • Ensino de História Pública
  • Quem são os historiadores públicos na América Latina?
  • Como promover a história pública como disciplina na América Latina?
  • Passados difíceis que interagem com o presente: Historiadores e Justiça Social, Direitos Humanos, Comissões de Verdade e Justiça de Transição?

Apresentações em inglês ou espanhol serão aceitas durante a conferência, mas todas as propostas devem ser escritas em Inglês. Inglês é fortemente sugerido como o idioma principal para apresentações.

Tanto trabalhos individuais, como propostas de sessão (90 minutos cada) são bem vindas. Propostas de sessões deve incluir um resumo geral para a sessão, bem como os resumos de todos os trabalhos individuais.
Prazo final para o envio de todas as propostas é 19 de outubro de 2015.

Também haverá sessões de pôsteres nes conferência em Bogotá, mas chamada e prazo diferentes.

Por favor, envie a sua proposta de não mais de 150 palavras, bem como qualquer outro questionamento, para o seguinte e-mail: ifph2016@uniandes.edu.co

Comissão organizadora:
Gennaro Carotenuto (Università di Macerata, Itália)
Thomas Cauvin (Universidade de Lafayette, EUA)
David Dean (Universidade Carleton, Canadá)
Anita Lucchesi (Université du Luxembourg, Luxemburgo)
Serge Noiret (Instituto Universitário Europeu, Florença, Itália)
Anaclet Pons (Universitat de València, Espanha)
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia)
Philip Scarpino (Indiana University-Purdue University Indianapolis – IUPUI, EUA)
Isabelle Veyrat-Masson (CNRS, França)

Comissão local:
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia) <cquinter [at] uniandes.edu.co>
Angela Maria Aristizabal Borrero (Universidad de los Andes, Colômbia) <am.aristizabal10 [at] uniandes.edu.co>

*Tradução livre da chamada original, disponível aqui, por Anita Lucchesi.

Historia 2.0: chamada para trabalhos “Dossier Historia Pública”

historia 2.0

A história pública leva a história científica à praça pública, de fato, discute problemas históricos semelhantes, se não idênticos aos da história “ordinária”, porém, se diferencia dessa última em sua relação com os consumidores de história. Enquanto a história tradicionalmente tem se relacionado com leitores cada vez mais especializados e com estudantes de diversos níveis de formação; a história pública compreende aquelas ações onde a história se relaciona com um público amplo através de museus, exibições reais ou virtuais, divulgação patrimonial, reconstrução histórica (reenactment), a história oral, a história local, e com outros aspectos que não necessariamente abrangem a textualidade histórica como a preservação de arquivos, a assessoria a instituições governamentais ou privadas, e mesmo o ativismo social.

A noção de história pública é tão ampla que quase qualquer atividade que o historiador desenvolva fora do campo do ensino e da pesquisa universitária pode ser considerada como história pública. Este sentido prático e de relação com a comunidade chamou atenção dos historiadores e tem contribuído para a resolução de problemas sociais mediante o uso de testemunhos para processos de memória histórica, pós-conflito, recuperação de identidade das comunidades e do patrimônio material e imaterial das regiões. Ademais, levou a consideração de novos projetos de histórica aplicada em âmbitos públicos e privados, como também empreendimentos de historiadores, que criaram empresas lucrativas onde a história se afasta totalmente do ensino para atuar no setor de serviços, como na contribuição para a organização de arquivos empresariais (memória empresarial/institucional), ou o fornecimento de “produtos” para a definição e litígios legais, como nos casos de definição dos territórios naturais de certas comunidades. Também se incluem no campo da história pública a assessoria em restauração e conservação patrimonial.

A presente convocação está focada na recepção de artigos em espanhol e português relacionados ao desenvolvimento de projetos de história pública na Iberoamérica, em especial, aquelas experiências relacionadas com a recuperação e divulgação patrimonial, a história oral e local, bem como a difusão digital da história pública.

Chamada para artigos aberta em: 10 de maio de 2014; encerramento: 21 de julho de 2014.

Normas de publicação e envio: http://historia2.0.historiaabierta.org/index.php/revista/about/submissions

Esta chamada para artigos também está disponível em inglês, espanhol e italiano.

ISSN 2027-9035

Historia 2.0 está indexada em:

Directory of Open Access Journals

DOAJ aumenta la visibilidad y la facilidad de uso de las revistas científicas y académicas de acceso abierto, pretende ser global y abarcar todas las revistas que utilizan un sistema de control de calidad para garantizar el contenido.

e-Revistas

Portal donde se muestran las revistas electrónicas españolas y latinoamericanas de acceso abierto (Open Access). Fue creado en España.

Latindex

Latindex es producto de la cooperación de una red de instituciones latinoamericanas que funcionan de manera coordinada para reunir y diseminar información bibliográfica sobre las publicaciones científicas seriadas producidas en la región.

Dialnet

Hemeroteca Digital. Universidad de la Rioja.

*La revista Historia 2.0 hace parte del depósito voluntario de obras digitales de la Biblioteca Nacional de Colombia.

 

Boletim Historiar

No ar a nova revista discente “Boletim Historiar“, nascida das boas ideias e do empenho dos colegas da Universidade Federal de Sergipe, do Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET/UFS). Parabéns, pessoal!

Neste número, faço uma pequena contribuição, com o artigo Por um debate sobre História e Historiografia Digital, mas deixo o convite para que confiram o número na íntegra, que trás discussões sobre o filme na história, música, patrimônio e tempo presente, além de resenhas quentíssimas.

Boletim Historiar, n. 2 (2014)

Imagem

Artigos

Além do que se vê: o filme, objeto da história
Dilton Maynard
Entre a Alternância e a Hegemonia Política: o Paraguai no Tempo Presente
Karl Schurster, Márcio Brito
Retóricas identitárias no circuito do Choro de Aracaju
Daniela Bezerra
Patrimônio aos olhos de quem? Um breve estudo sobre a construção do conceito ‘Patrimônio Histórico’
Jandson Soares, Wendell Souza

 

Resenhas

Integração Sul-ameriana no Tempo Presente
Gabriela Resendes
Redes de Indignação e Esperança: Movimentos sociais na era da internet
Paulo Teles

Uma Web Ópera sociológica – Paris: Cidade Invisível

Como no post anterior, neste trago um exemplo de projeto digital contendo uma narrativa (?) pouco convencional para aqueles que estão acostumados ao livro ou ao museu. A Ópera é um projeto de big data (repliquei há pouco tempo um link a respeito), criado por Bruno Latour (Text), Emilie Hermant (Photo), Patricia Reed (Screen Design). Navegação não-linear, hipertexto e hipermídia compõem seu cenário.

O “plano” que pincei abaixo é um prato cheio para a discussão de memória, patrimônio e história (último plano, do último circuito, se é que a navegabilidade da obra supõe tal ordem).

Enfim, estou apenas compartilhando esta interessante maneira de ver o invisível aí.

Para visitar esta outra Paris basta clicar aqui.

Line: Allowing | Plan: 51

Line: Allowing | Plan: 51