Public History

Next Wednesday (18/Nov) @ Institut d’Histoire Culturelle Européene Bronislaw Geremek

Hi everybody! I am more than happy to inform that next week I will be at the Château des Lumières, in Lunéville, for a presentation on “Festas Portuguesas”, together with Florence Florin and Diégo Ropele.

This presentation will be part of the Mercredis Européens of the Institut d’Histoire Culturelle Européene Bronislaw Geremek, which are described as Conférences apéritives, illustrées et participatives d’histoire culturelle. 🙂 

The invitation for this exciting meeting, at this environment of a popular audience, came when I was in Trier, in the occasion of the Digital Humanities Autumn School 2015, where I hopefully met Didier Francfort, and while talking about migration history, public history and cultural history, the idea of discussing Portuguese popular parties/celebration at Lunéville raised up.

More info, here: http://www.ihce.eu/fr/les-prochaines-dates.html  Everybody is welcome!

lucchesi-18-Nov-Luneville

[PhD Research Diary] First entry “Everything is connected now”

When you depart for Ithaca, wish for the road to be long,

full of adventure, full of knowledge.

from Ithaca (Ἰθάκη),  by Konstantinos Kavafis.*

Screen Shot 2015-10-27 at 11.05.09

Detail of The Siren Vase, an Attic pottery from 480BC-470BC (circa)

This is the first of a serie of posts I expect to share with you during the next three years of my life, which I will dedicate to my PhD research at the Digital History Lab (website coming soon) of the University of Luxembourg, under the supervision of Prof. Dr. Andreas Fickers. And you are welcome to follow the outstanding upcoming stories in the tag PhD Research Diary.  🙂

As all the new beginnings, this introductory post makes me feel a little bit self-reflexive. Looking at my life in the rearview, I would say now it is everything connected, from a very personal point of view.  The first time I got interested in the subject of Digital History I was in Europe, more precisely, in Italy (where the above pottery is supposed to be found), for my first study experience abroad, at the Università Degli Studi di Firenze. Now, I am back to the Continent with another baggage experience, and a slightly better understanding of the importance of travels for our personal life stories, and (why not?) for the “big” History.

I like that now, beyond be researching something that, I hope, will be useful to my colleagues working in the field of History in a near future, I will also be working directly with people, either because this project is also a public history project, either because I will be using oral history methods. Or, yet, because, afterwards, I hope my research can bring some effective contribution to the reality of so many people who have ever experienced what it is to be an immigrant. Well, it is actually bold to say that, but one can always dream (and I have some affinity with John Lennon).

I say that because, in this PhD, the investigation about the consequences of digital technologies, new tools and methods for the historiographical operation is not the unique propose of my research. Now, in addition to the issues that I was already asking myself in the last years, partly present in my Master Thesis, completed at the Federal University of Rio de Janeiro, I got many new things on my plate, just to mention a few keywords: migration, memory, oral history, public history… and all the whole new worlds each topic can unfold to me.  I am still familiarising with new literature and trying to find myself in this new scenario. I am curious and anxious to know what is to come. At the moment, the plan is developing a more detailed version of the research project Shaping a digital memory platform on migration narratives? A public history project on Italian and Portuguese migration memories in Luxembourg. I hope to have it done, including a research timeline and a well structure writing plan by the end of this first semester. In this meanwhile, there will be other posts here, but you are free (and I would be pleased) to send me questions, suggestions, critics or just a “hello/salut/moien!” at any time you like. I would really appreciate to receive comments and advice, specially in what concern migration History, Italian and Portuguese emigration/immigration to Luxembourg. So, please, don’t hesitate to leave a comment or writing me an e-mail if you have an idea (all ideas are good, until proven otherwise).

Of course, all this novelty can be frightening, to some extent, but at the same time, it is so fascinating to have the opportunity to dive in a very different thing. Not to mention that I am changing too, I moved from Rio de Janeiro to Luxembourg Ville, I left my family, friends and cats, I am learning a new language, dealing with different weather, enjoying other landscapes, aromas and flavours… and this can sound hard, but actually it is way exciting! I have to grow up here, and this is probably the major challenge beyond everything. It is hard, but so good to go out of inertia. And, at the end, I think I am a lucky person: it is not so far from my family in Florence and, also for academic reasons, I have some very special people to support me in Europe at the moment.

Perhaps I should apologize for the intimate tone of a post that is supposed to open a new tag on my professional life (oh, that sounded philosophical!). But as I will argue later about the importance of seeking certain hybridism on the combination of historiographical traditions with the new digital history, here too I think it is somewhat necessary to think about personal and professional life together. It’s so difficult to separate the “Anita-Anita” from the “Anita-historian”, it is everything connected. I hope you do not mind. I promise, next time, give less attention to my personal matters. After all, you do not want to know, for example, how I feel having to turn on the heater in October. As my ex-supervisor used to say, sometimes I just need to remember that words are to say something, not “to flourish” it. Thank you, Dilton! Also that lesson you taught me, but you also taught me to be rebel, and here I am. But I hope, for this first post, everybody will forgive me, even Prof. Dr. Dilton Maynard.

*I could do anything unless remember Kavafis/Cavafy’s poem when I started to write this post, which in turn, reminds me of Professor Manoel Luiz Salgado Guimarães (for those who read Portuguese, see here),  whose work, teaching and passion for history inspired me a lot. He show us – the undergrad students at that time – this poem in one of his last lessons, in his last course. I will never forget. And this inspiration is undoubtedly enough to give me the determination to face whatever is coming, in the better way as possible, with a good feeling in the heart, and seeing things with good eyes, keeping Ithaca always in my mind.

PS: I have to thank my office mate Max Kemman for the brilliant idea of working with some music in the background. It was just perfect to finish this post listening to Caetano Veloso’s Transa, an album from 1972, when Brazil were under the military dictatorship, and Caetano had to spent some time in a political exile in London. Caetano was right, it is a long, long, long way.

#CFP: IFPH-FIPH 3º Conferência Anual, Bogotá, Colômbia, 7, 8 E 9 de julho, 2016

Chamada de trabalhos*

Prazo final para envio de propostas: 19 de outubro de 2015

IFPH: http://ifph.hypotheses.org/news

Foto: IFPH

(foto reproduzida de IFPH)

A história é uma questão pública. O conhecimento e prática histórica não se limitam aos ambientes acadêmicos. A história também é produzida e compartilhada de diversas maneiras por historiadores profissionais e não-profissionais. Museus e outros lugares de exposição, filmes e documentários, novelas históricas, aniversários e comemorações, re-enactments e living history, políticas públicas, comissões de justiça transicional, televisão, rádio, sites e mídia social, são alguns dos caminhos em que a história se faz viva. Todas essas configurações estimulam a interação e a colaboração com grandes audiências, fazendo dos historiadores historiadores públicos.

A terceira conferência anual internacional da Federação Internacional para a História Pública (IFPH) será realizada na Universidade de Los Andes, em Bogotá, Colômbia, de 7 a 9 de de 2016. Seu objetivo é abrir um espaço para dar visibilidade e compartilhar as práticas e habilidades inovadoras que historiadores públicos em todo o mundo usam criativamente na sua prática diária. A história é cada vez mais produzida através de projetos colaborativos que são usados ​​para diferentes propósitos políticos, econômicos e culturais, definindo, muitas vezes, identidades coletivas ao longo do caminho. Além disso, a história pública explora, desafia e discute o papel dos historiadores, e recentemente atraiu atenção global. Neste sentido, a Conferência também abre espaço para discutir o escopo, os objectivos e desafios, entre outras questões críticas levantadas pela história pública e pela história como um campo geral.

Criada em 2011, a IFPH visa a construção de uma comunidade internacional e multi-lingual de praticantes. O papel da IFPH é promover o desenvolvimento da história pública em todo o mundo, criando e coordenando redes, promovendo ensino, pesquisa e todo o tipo de atividade engajando o público com o passado, a história e memórias individuais e coletivas.

A conferência internacional da IFPH em Bogotá vai reunir profissionais, especialistas e ativistas de todo o mundo para discutir e compartilhar suas experiências nos diversos desafios e recompensas envolvidos no engajamento com o público para difundir o conhecimento histórico. A conferência não será limitada a um tema específico, mas, pelo contrário, vai abranger as mais diversas atividades de história pública. Assim, as propostas poderão apresentar exemplos de engajamento dos historiadores com as comunidades através de diferentes meios de comunicação, construindo diferentes formas de narrativas e analisando diferentes usos públicos do passado.

SONY DSC

Museo del Oro, Bogotá, 2011 (foto reproduzida de IFPH)

Possíveis práticas e temas podem incluir:

  • Museus e Exposições
  • História Oral e Projetos Comunitários
  • História Pública Digital
  • Mídia Digital, Internet e Conhecimento Participativo
  • Mapeamento e representações visuais do passado
  • Vídeos e documentários
  • Ficção histórica
  • Re-enactments e “Living History”
  • Preservação Histórica e Patrimônio Cultural da Comunidade
  • Arqueologia Pública
  • Mídia Social, Mobile App e conteúdos gerados pelo usuário
  • Políticas Públicas e História Aplicada
  • Ensino de História Pública
  • Quem são os historiadores públicos na América Latina?
  • Como promover a história pública como disciplina na América Latina?
  • Passados difíceis que interagem com o presente: Historiadores e Justiça Social, Direitos Humanos, Comissões de Verdade e Justiça de Transição?

Apresentações em inglês ou espanhol serão aceitas durante a conferência, mas todas as propostas devem ser escritas em Inglês. Inglês é fortemente sugerido como o idioma principal para apresentações.

Tanto trabalhos individuais, como propostas de sessão (90 minutos cada) são bem vindas. Propostas de sessões deve incluir um resumo geral para a sessão, bem como os resumos de todos os trabalhos individuais.
Prazo final para o envio de todas as propostas é 19 de outubro de 2015.

Também haverá sessões de pôsteres nes conferência em Bogotá, mas chamada e prazo diferentes.

Por favor, envie a sua proposta de não mais de 150 palavras, bem como qualquer outro questionamento, para o seguinte e-mail: ifph2016@uniandes.edu.co

Comissão organizadora:
Gennaro Carotenuto (Università di Macerata, Itália)
Thomas Cauvin (Universidade de Lafayette, EUA)
David Dean (Universidade Carleton, Canadá)
Anita Lucchesi (Université du Luxembourg, Luxemburgo)
Serge Noiret (Instituto Universitário Europeu, Florença, Itália)
Anaclet Pons (Universitat de València, Espanha)
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia)
Philip Scarpino (Indiana University-Purdue University Indianapolis – IUPUI, EUA)
Isabelle Veyrat-Masson (CNRS, França)

Comissão local:
Camilo Quintero (Universidad de los Andes, Colômbia) <cquinter [at] uniandes.edu.co>
Angela Maria Aristizabal Borrero (Universidad de los Andes, Colômbia) <am.aristizabal10 [at] uniandes.edu.co>

*Tradução livre da chamada original, disponível aqui, por Anita Lucchesi.

Inscrições Abertas: II Simpósio Internacional de História Pública

historiapublica2014

PERSPECTIVAS DA HISTÓRIA PÚBLICA NO BRASIL

2º Simpósio Internacional de História Pública

Universidade Federal Fluminense

Niterói – 10 a 12 de setembro de 2014

 

Inscrições abertas!

 

Þ Comunicações orais em Grupos de Trabalho (até 13 de julho)

Þ Comunicações orais em Painéis de Experiências em História Pública (até 13 de julho)

Þ Lançamentos de livros, DVDs e outros trabalhos

Þ Participação em oficinas

Þ Ouvintes

 

http://simposio2014.historiapublica.com.br

 

Rede Brasileira de História Pública

Laboratório de História Oral e Imagem

Universidade Federal Fluminense

 

Acompanhe também:  @rebrahip no Twitter e Rede Brasileira de História Pública no Facebook. 🙂

História Pública do Holocausto, um curta

From the filmmakers: In order to discover the true meaning of Public History of the Holocaust we interviewed people at different Holocaust Memorial sites all over Europe. They all have their own relation to this major event in history.

People of different ages, nationalities and backgrounds turn out to be important stakeholders in writing, discovering and perceiving history. This short documentary shows how random people handle the history of the Holocaust. It points out that we have to consider the public dimension of Holocaust research.

History thrives through the Internet but is also shaken by it. As technology improves, more and more people can easily handle and present facts, data and interpretations. Unfortunately this also goes for those who deny that the Holocaust even took place.

This calls for new ways of cooperation between scholars and the general public, by using the Internet. This was discussed during the international conference Public History of the Holocaust on July 9 2013 in Berlin.

[CFP] Chamada de trabalhos – História Pública em um Mundo Digital: A Revolução Reconsiderada

ifphConferência da Federação Internacional de História Pública Conferência

Public History in a Digital World: The Revolution Reconsidered (Original CFP)

História Pública em um Mundo Digital: A Revolução Reconsiderada*

Amsterdam, de quinta-feira, 23 de outubro a Sábado, 25 de outubro de 2014

Primeira chamada de propostas:

As fontes históricas e narrativas sobre o passado se infiltraram  todos os cantos da web, desde mídias digitais caseiras até exposições on-line, através de redes sociais e em museus virtuais. Ferramentas digitais tornaram-se essenciais para os públicos que preservam, apresentam, discutem e  disputem histórias,  e vão desempenhar um papel importante na comemoração do aniversário da Primeira Guerra Mundia, no início em 2014. As possibilidades do mundo digital parecem quase ilimitadas: nunca antes coleções enormes de uma grande variedade de materiais históricos foram tão acessíveis para o grande público através das fronteiras nacionais e culturais. Além do mais, novos gêneros, como blogs e fóruns de discussão virtuais expandiram as possibilidades públicas de história online – tanto para co- criação de narrativas históricas, bem como para comunicar sobre o passado com diversos públicos.

Diante disto, a virada digital deveria ser especialmente significativa para os historiadores públicos, mas será que as expectativas estão sendo acompanhada por atividades? Após duas décadas de revolução digital, é hora de considerar criticamente o que a mídia digital traz para a História Pública e para onde a História Pública está indo em um mundo digital. Esta conferência internacional, organizada pela Federação Internacional de História Pública (IFPH), reunirá especialistas, recém-chegados e experimentadores de todo o mundo para compartilhar idéias, questões e práticas relativas ao impacto do mundo digital sobre a teoria e a prática da História Pública.

As questões a considerar incluem:

  • Quão revolucionária é a virada digital para a pesquisa e a prática de História Pública?
  • Como as inovações digitais estão mudando as práticas da História Pública?
  • Os historiadores públicos são críticos o suficiente diante das insuficiências das práticas digitais?
  • O que seria o “cool stuff ” da caixa de ferramentas digitais a agregar valor aos projetos de História Pública, atividades de ensino, etc. ?
  • Que estratégias digitais não alcançam o “hype”, e por quê?
  • Que as audiências os historiadores digitais estão alcançando ou excluindo com as práticas digitais?
  • Como são públicos envolvidos e engajados por meio de práticas digitais?
  • Como as narrativas históricas estão  mudando sob a influência da mídia digital e da internet?
  • Como a História Pública Digital pode gerar ou inspirar novas formas de interagir com o público?
  • Como a  História Pública Digital se  relaciona com formas mais antigas e tradicionais de História Pública?
  • O que podemos aprender a partir de uma análise crítica da História Pública Digital?

Possíveis ideais para sessões incluem:

  • Público e envolvimento: Quem os historiadores públicos alcançando, e excluindo, com História Pública Digital?
  • Autoria e autoridade: Quem está representando história na web?
  • Narrativas e “storytelling”: Que passados (não) estão sendo contados na web?
  • Integração: Como História Pública digital e analógica se relacionam?
  • Práticas: Como passado é apresentado no mundo digital?
  • Didática: Como podemos ensinar História Pública ?
  • História Pública analógica: O que é feito melhor sem o digital?
  • Comunicação: Como a história 2.0 e as redes sociais podem fomentar a difusão da História Pública?

Recebemos apresentações de todas as áreas, incluindo historiadores públicos que trabalham em museus, arquivos, educação, gestão do património, consultoria ou serviço público, bem como recém-chegados ao campo da História Pública. Além de trabalhos individuais e propostas de sessões de painéis, incentivamos propostas de oficinas, bem como posters ou apresentações multimídia. A ênfase deve ser na análise crítica, não mostrar e dizer – submissões que investigam tanto os limites da história pública em um mundo digital, quanto suas possibilidades, são especialmente bem-vindas.

As propostas devem ter  250 palavras e devem ser enviadas até  31 de janeiro de 2014 para ifphamsterdam2014@gmail.com

Comitê Local:

Dr. Paul Knevel, professor assistente de História e Coordenador do Mestrado em História Pública da Universidade de Amsterdam

Dr. Manon Parry, professor assistente de História Pública da Universidade de Amsterdam

Prof  Dr . Kees Ribbens, Pesquisador Sênior, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies

Dr. Serge Noiret, presidente da Federação Internacional de História Pública

Comitê do programa:

Fien Danniau / Prof.Dr . Bruno de Wever , Instituut voor Publieksgeschiedenis, da Universidade de Ghent, na Bélgica

Dr. Jean -Pierre Morin, Federação Internacional de História Pública, Canadá

Dr. Manon Parry, da Universidade de Amsterdam, Holanda

Dr. Hinke Piersma, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies, Holanda

Prof.Dr. Constance B. Schulz, University of South Carolina, EUA

Dr. Christine Gundermann / Dr. Irmgard Zündorf , Freie Universität Berlin, Alemanha

*Original CFP in free translation by Anita Lucchesi.

Transmissão ao vivo | Evento de Lançamento da Rede Brasileira de História Pública

Voilà:

http://historiapublica.com/2013/11/14/transmissao-ao-vivo/

Acompanhem no link acima. Está sendo discutido não só o potencial de publicização do conhecimento histórico – a divulgação é apenas uma parte desse quadro. Haja discussão!  Vamos acompanhar! Trata-se agora de mapear os diversos interesses e possobilidades de trabalho sobre História Pública.

Ricardo Santhiago acaba de anunciar agora que no site da RBHP já existe um formulário de adesão para quem tiver interesse em participar da rede, ou melhor, dessas várias discussões que estão marcando o início da rede.

image

[postando diretamente do auditório do Museu Histórico Abílio Barreto, em Belo Horizonte]

Call for proposals / Chamada para trabalhos – Federação Internacional de História Pública

Abaixo circulo a chamada para trabalhos da Federação Internacional de História Pública: “História Pública em um mundo digital: a revolução reconsiderada” 

Vamos?

Deadline: 31 jan. 2014

Amsterdam 2014

International Federation for Public History Conference

Public History in a Digital World: The Revolution Reconsidered

Amsterdam, Thursday 23 October 2014 – Sat 25 October 2014

FIRST CALL for PROPOSALS

Historical sources and narratives about the past infiltrate every corner of the web, from home-made digital media to online exhibitions, across social networks and in virtual museums. Digital tools have become essential for publics who preserve, present, discuss, and dispute history, and they will play a major role in the commemoration of the anniversary of WWI beginning in 2014. The possibilities of the digital world seem almost unlimited: never before have massive collections of a wide variety of historical materials been so accessible for  large audiences across national and cultural borders. What’s more, new genres such as blogs and  virtual discussion boards have expanded the public possibilities of history online – for co-creating historical narratives as well as for communicating about the past with various audiences.

Given all this, the digital turn should be especially significant for public historians, but have expectations been matched by activities? After two decades of digital revolution it is time to critically consider what digital media brings to Public History, and where Public History is headed in a digital world. This international conference, organized by the International Federation for Public History, will bring together experts, novices, and experimenters from all over the world to share insights, questions, and practices concerning the impact of the digital world on the theory and practice of Public History. Issues to consider include:

  • How revolutionary is the digital turn for the research and practice of Public History?
  • How are digital innovations changing Public History practices?
  • Are public historians critical enough towards the shortcomings of digital practices?
  • What “cool stuff” from the digital toolbox adds value to PH projects, teaching activities, etc?
  • Which digital strategies do not live up to the hype, and why?
  • Which audiences are public historians reaching and excluding with digital practices?
  • How are audiences involved and engaged through digital practices?
  • How are historical narratives changing under the influence of digital media and the internet?
  • How can digital Public History generate or inspire new ways of interacting with the public?
  • How does digital Public History relate to older forms and traditions of Public History?
  • What can we learn from a critical analysis of Digital Public History?

Possible ideas for sessions include:

  • Audiences and involvement: Who are public historians reaching, and excluding, with digital public history?
  • Authorship and authority: Who is representing history on the web?
  • Narratives and storytelling: Which pasts are(n’t) public historians telling on the web?
  • Integration: How do digital and analogue Public History relate?
  • Practices: How is the past presented in the digital realm?
  • Didactics: How do we teach digital Public History?
  • Analogue Public History: What is done best without the digital?
  • Communication: How can digital history 2.0 and Social Media foster the diffusion of Public history ?

We welcome submissions from all areas, including public historians working in museums, archives, education, heritage management, consulting and public service, as well as newcomers to the field of Public History. Apart from individual papers and proposals for panel sessions, we encourage workshop proposals as well as poster or media presentations. The emphasis should be on critical analysis, not show and tell – submissions that investigate both the limits of public history in a digital world, as well as its opportunities, are especially welcomed.

250 word proposals are due by: January 31 2014 to ifphamsterdam2014@gmail.com

Local Committee :

  • Dr. Paul Knevel, Assistant Professor of History & Coordinator, MA in Public History, University of Amsterdam
  • Dr. Manon Parry, Assistant Professor of Public History, University of Amsterdam
  • Prof. dr. Kees Ribbens, Senior Researcher, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies
  • Dr. Serge Noiret, President, International Federation for Public History

Program Committee:

  • Fien Danniau/Prof.Dr. Bruno de Wever,  Instituut voor Publieksgeschiedenis, University of Ghent, Belgium
  • Dr. Jean-Pierre Morin, International Federation for Public History, Canada
  • Dr. Manon Parry, University of Amsterdam, The Netherlands
  • Dr. Hinke Piersma, NIOD Institute for War, Holocaust and Genocide Studies, The Netherlands
  • Prof.Dr. Constance B. Schulz, University of South Carolina, USA
    Dr. Christine Gundermann/ Dr. Irmgard Zündorf, Freie Universität Berlin, Germany

#NCPH 2013 #thatcamp

[Aviso: este post estará sob edição durante as sessões que estou acompanhando do ThatCamp NCPH 2013]

Começou a manhã no ThatCamp aqui do NCPH Annual Meeting. Experiência diferente, escolher as sessões e montar a programação  – coletivamente –  no mesmo dia em que começa o evento.

Na sessão sobre “Digital Neighborhoods” já deu para começar a pensar sobre Public History no contexto carioca de revitalização. Como seria fazer um projeto digital sobre a memória do Rio antigo e a zona portuária que está sendo revitalizada?

Começamos pensando no caso específico do projeto The Historyapolis.

Um dos primeiros problemas levantados foi a questão dos fundos. Com que financiamento fazer projetos deste tipo? A quem interessa financiar? Penso no caso do “Meu Porto Maravilha” – sala de exibição – criado pela concessionária que está a frente da revitalização da zona portuária do Rio. Ann Martin chama atenção para o fato de que há sempre fundos para o que tem um valor. Imagino então o valor do Meu Porto Maravilha, não para o povo do Rio, mas para a concecionária Porto Novo.

Uma maneira interessante de pensar projetos digitais para histórias de bairros e cidades seria começar por onde a comunidade local já atribuiu um valor. Eu penso que no caso carioca, toda a produção de conteúdo espontânea em torno à Aldeia Maracanã renderia um bom trabalho de campo (por que não, digital?). Há uma grande quantidade de vídeos, fotos e posts dispersos pelas redes sociais. Seria muito presente para ser História?

Pensando que seria interessante fazer algo com o Historypin para projetos de “Digital Neighborhoods”, já que a inspiração do Historypin é justamente tentar envolver a comunidade com a memória de suas localidades.

[sob edição]

Preciso colocar as anotações em ordem para passar para cá, mas só posso garantir uma coisa: eu não sei nada de Digital & Public History. A tarde do primeiro dia de conferência com o THATCamp foi positivamente desestruturadora, trazendo novas coisas para pensar como o uso da realidade aumentada em projetos de digital e public history, como possobilidade de romper com o tradicional mode de exibição em museus, geralmente linear, cronológico e temático. Ontem as discussões foram no sentido de trazer emoção e possibilidades de experiências sensoriais para a apresentação do passado nas mais diferentes formas que as novas mídias permitem.

Preciso compilar as notas do segundo dia antes de postar. É muito brainstorming pra pouco tempo livre para edição. 🙂

Sugestões bibliográficas da Rede Brasileira de História Pública

[reblogged da Rede Brasileira de História Pública]

Coletâneas e obras de referência

Almeida, Juniele Rabêlo de; Rovai, Marta Gouveia de Oliveira (org.) Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

Anais de encontros científicos

Anais do Simpósio Internacional de História Pública: A história e seus públicos. São Paulo: Rede Brasileira de História Pública, 2012.

Livros

Maynard, Dilton Cândido Santos. Escritos sobre história e internet. Rio de Janeiro: Fapitec/Multifoco, 2011.

Artigos

Chalhoub, Sidney; Fontes, Paulo. “História social do trabalho, história pública”. Perseu: História, memória e política, v. 3, 2009, p. 219-228.

Ferreira, Marieta de Moraes. “Demandas sociais e história do tempo presente”. In: Varella, Flávia et. al. (org.) Tempo presente & usos do passado. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2012. p. 101-124.

Meneses, Ulpiano Toledo Bezerra de. “Do teatro da memória ao laboratório da história: A exposição museológica e o conhecimento histórico”, Anais do Museu Paulista, v. 3, n. 1, 1995, p. 83-44.

Teses e dissertações

Bonaldo, Rodrigo Bragio. Presentismo e presentificação do passado : a narrativa jornalística da história na ‘Coleção Terra Brasilis’ de Eduardo Bueno. Dissertação de Mestrado, UFRGS, 2010.

Obras estrangeiras

A bibliografia estrangeira sobre história pública é muito ampla para ser adequadamente resumida nesta página. Para uma revisão dessa bibliografia e do panorama internacional, sugerimos os textos:

Liddington, Jill; Ditchfield, Simon. “Public History: A Critical Bibliography”. Oral History, v. 33, n. 1, 2005, p. 40-45.

Ashton, Paul; Hamilton, Paula. “Connecting with History: Australian and their Pasts”. In: Ashton, Paul; Kean, Hilda (org.) People and their Pasts: Public History Today. New York: Palgrave MacMillan, 2008.

Outras sugestões podem ser enviadas através do site da RBPH.